Topo

Flávio diz a jornal ter homenageado Capitão Adriano porque acreditou nele

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
1.fev.2019 - Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no plenário do Senado Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

2019-05-12T23:23:14

12/05/2019 23h23

Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", publicada na noite de hoje, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que homenageou o ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, "como forma de mostrar que acreditava na palavra dele". Há três meses o Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou o ex-PM por comandar uma milícia na zona oeste do Rio, o chamado "Escritório do Crime", grupo de matadores de aluguel que tem como clientes preferenciais chefes do jogo do bicho carioca.

Capitão Adriano está foragido da Justiça desde 22 de janeiro. A mãe dele e sua mulher trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro, quando ele foi deputado estadual no Rio de Janeiro.

"Conheci [o Capitão Adriano] em 2003, 2004, mais ou menos. Ele estava sendo acusado de ter matado um trabalhador e, na verdade, era um traficante. [Fabrício] Queiroz [ex-assessor de Flávio suspeito de recolher parte dos salários de funcionários de seu gabinete] me apresentou. Resolvi abraçar aquela causa. Até homenageei ele depois como forma de mostrar que acreditava na palavra dele. Ele, agora, está sendo acusado de um monte de coisa. Se ele estiver errado, que a lei pese sobre ele. Como exigir de mim saber de algo que 15 anos depois veio à tona?", disse o senador.

Capitão Adriano entrou para a PM fluminense no ano de 1996. Quatro anos depois, concluiu o curso de operações especiais do Bope, batalhão de elite da Polícia Militar do Rio. Na corporação, fez amizade com Queiroz, que trabalhou como assessor de Flávio quando este foi deputado estadual. Anos depois, Queiroz indicou a mãe e a mulher de Capitão Adriano para trabalhar no gabinete do filho mais velho do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

Reprodução/Polícia Civil
O ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega Imagem: Reprodução/Polícia Civil

Adriano chegou a ser homenageado por Flávio Bolsonaro com a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Era o ano de 2005, e ele estava preso sob acusação de cometer matar um flanelinha que havia denunciado um esquema de extorsão praticado por PMs em uma favela do Rio.

Nessa mesma época, o ex-"caveira" (integrante do Bope) começou a atuar como segurança para familiares do falecido bicheiro Valdomiro Paes Garcia, o Maninho. No serviço irregular, que resultou em sua expulsão da PM decidida pela Justiça do Rio no ano de 2014, ele se envolveu na disputa fratricida pelo espólio do contraventor.

Há suspeitas de que membros do Escritório do Crime estejam envolvidos nas mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018.

Na entrevista ao "Estado de S. Paulo", o senador disse ainda que é alvo de uma investigação ilegal do Ministério Público do Rio. Ele defendeu o arquivamento do caso que envolve seu ex-assessor Fabrício Queiroz. O filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse ainda que a apuração que o atinge é ilegal e que o único caminho possível é o encerramento dela.

Até a publicação desta reportagem, o UOL não conseguiu contato com a assessoria do MP do Rio sobre as declarações de Flávio.

Mais Política