Topo

Em última fala como presidente do PSDB, Alckmin dispara contra Bolsonaro

O governador de SP João Dória, o novo presidente do PSDB, Bruno Araújo, e o ex governador Geraldo Alckmin durante convenção da executiva do PSDB, em Brasília. - Pedro Ladeira/Folhapress
O governador de SP João Dória, o novo presidente do PSDB, Bruno Araújo, e o ex governador Geraldo Alckmin durante convenção da executiva do PSDB, em Brasília. Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

31/05/2019 14h39

O ex-presidenciável e ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) deixou o comando do PSDB disparando críticas a Jair Bolsonaro (PSL) e disse que é o momento de ter "coragem de criticar e pôr o dedo na ferida".

O tucano equiparou o bolsonarismo ao petismo e classificou ambos como "grandes mentiras", além de cobrar a falta de projetos e reclamar do decreto de armas.

Nós não temos duas verdades, a extrema direita e a extrema esquerda. Nós temos duas grandes mentiras. O petismo e o bolsonarismo.

Geraldo Alckmin, ex-governador de SP

Este foi o último discurso de Alckmin antes de entregar a presidência da sigla a Bruno Araújo, aliado do governador de São Paulo, João Doria.

Ao contrário do tom morno tradicional que empregava nos discursos, Alckmin subiu o tom de voz. Em alguns momentos, o discurso inflamando fez sua voz soar rouca.

"Tenha a minha solidariedade, Rodrigo Maia, desses oportunistas políticos, por 30 anos. Ele e a família inteira. E numa deslealdade vem atacar a vida dos homens públicos. Jogando a sociedade contra as suas instituições", declarou Alckmin, que atualmente não exerce cargos públicos.

O tucano fazia referência ao presidente da Câmara, que o apoiou nas eleições presidenciais. Desde o início da gestão Bolsonaro, Maia foi alvo de ataques de Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e de apoiadores do presidente da República.

Juventude tucana briga em convenção do PSDB

UOL Notícias

O tucano ainda criticou decreto que flexibilizou acesso a armas e lembrou que o país teve 64 mil assassinatos no ano passado.

"Querer aumentar a distribuição de armas é uma irresponsabilidade. Em vez de lutar pela polícia de fronteira para evitar tráfico de drogas e armas, distribui armas de maneira irresponsável", disse.

Mais Política