Topo

É por dinheiro, diz Mourão sobre militar preso suspeito de tráfico

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

2019-06-26T11:27:08

2019-06-26T13:04:05

26/06/2019 11h27Atualizada em 26/06/2019 13h04

O vice-presidente da República e presidente em exercício, general Antônio Hamilton Mourão (PRTB), afirmou hoje que o militar preso no dia anterior em Sevilha, na Espanha, suspeito de tráfico, deveria estar exercendo a ilegalidade por dinheiro.

"Acredito que esse militar aí é questão de dinheiro, né? Então você sabe que o dinheiro é algo... o vil metal corrompe. A pessoa tem que ser muito forte mentalmente, muito ciosa dos seus valores e dos seus deveres para não ser corrompida", declarou em entrevista à Rádio Gaúcha pela manhã.

O militar preso é sargento da Aeronáutica e estava envolvido na viagem do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Japão para cúpula do G20. Bolsonaro embarcou ontem à noite e fez escala em Lisboa, Portugal. Inicialmente, porém, a escala estava prevista para Sevilha. A mudança ocorreu após a divulgação da notícia.

Citando fontes da Guarda Civil espanhola, o jornal El País informou que o militar, cujo nome não foi revelado, estava com 39 quilos de cocaína. Ele teria sido detido quando os tripulantes e suas bagagens passaram pelo controle alfandegário na chegada ao aeroporto espanhol.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o sargento faria parte da tripulação que assumiria o voo do avião reserva do presidente que seguiria para o Japão.

Já Mourão deu outra versão. Ele informou que o preso não estava na comitiva oficial do presidente e ficaria na Espanha para fazer a viagem de volta como tripulante no avião de Bolsonaro entre Sevilha e Brasil.

"Quando tem essas viagens, vai uma tripulação que fica no meio do caminho, então quando o presidente voltasse agora do Japão, essa tripulação iria embarcar no avião dele. Então seria Sevilha - Brasil", explicou Mourão.

"Inclusive, para vocês saberem, tem o tal do voo da bomba. O avião que o presidente decolou ontem decola um pouco antes, para ver se está tudo ok, ele desce e é lacrado. Ele só é aberto novamente quando o presidente e a equipe dele estão para embarcar. Então esse é o avião presidencial. O outro, o VC2, leva o pessoal de apoio, o tal do escalão avançado, e é onde estava esse camarada", acrescentou.

"As Forças Armadas não estão imunes a esse flagelo da droga. Isso não é a primeira vez que acontece, seja na Marinha, seja no Exército, seja na Força Aérea", declarou.

O mais importante agora, segundo Mourão, é identificar quais as conexões do militar, pois não tomou a atitude de levar os entorpecentes à Espanha sozinho. "Com certeza existem conexões nisso aí", comentou.

"É óbvio que, pela quantidade de droga que o cara estava levando, ele não comprou na esquina e levou, né? Ele estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada, vamos colocar assim", completou em fala ao sair do Palácio do Planalto para almoçar.

Para ele, a participação de militares em tráfico de drogas é uma "preocupação constante". Em seguida, relatou enfrentar o consumo de drogas nos quartéis desde que era tenente no final da década de 1970.

O vice-presidente ressaltou que a lei irá cumprir seu papel e o militar preso será julgado por tráfico internacional de drogas, com "punição bem pesada".

Mais Política