PUBLICIDADE
Topo

Após vazamentos, movimentos apostam em 'voz das ruas' para defender Moro

Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo*

29/06/2019 04h00

Convocados por movimentos de direita como o MBL (Movimento Brasil Livre) e o Vem Pra Rua, manifestantes devem ir às ruas neste domingo (30) para demonstrar apoio ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e à Operação Lava Jato.

Os protestos acontecem três semanas após o vazamento de conversas entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba, pelo site The Intercept Brasil. Os diálogos datam de outubro de 2015 a setembro de 2017, período em que Moro ainda era o juiz responsável pela operação em primeira instância.

Nas mensagens publicadas pelo site, Moro dá conselhos sobre a atuação da força-tarefa para Dallagnol, que chega a repassar as orientações a outros procuradores. A lei proíbe que o juiz de um processo auxilie qualquer uma das partes.

Moro, que tem sido alvo de críticas desde então, já foi ao Senado para prestar esclarecimentos sobre as mensagens. O ministro contesta a autenticidade das conversas e considera que os vazamentos são parte de um "revanchismo".

Em uma das conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, o ministro chama integrantes do MBL de "tontos". O movimento, no entanto, minimizou o episódio e disse que as mensagens vazadas não apontam "nada demais".

Os atos foram confirmados em 183 cidades até as 20h desta sexta (28), segundo o Vem Pra Rua (veja, abaixo, a programação nas principais cidades). Também estão na pauta dos protestos a defesa da reforma da Previdência e do pacote anticrime, de autoria de Moro, que está em discussão no Congresso.

Tanto o Vem Pra Rua como o MBL não participaram das últimas manifestações em apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Os grupos justificaram dizendo que os primeiros atos em favor do governo defendiam propostas com as quais eles não concordavam.

"O MBL não é pró-Bolsonaro e mantém uma linha independente", disse Renato Battista, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta (27) aponta que o governo Bolsonaro tem a menor aprovação desde o início do mandato: o governo foi classificado como ruim ou péssimo por 32% dos brasileiros, cinco pontos percentuais em comparação ao último levantamento, em abril.

A divulgação das conversas entre Moro e Dallagnol foi o terceiro episódio mais citado pelos entrevistados entre as notícias que podem ter impactado a avaliação sobre a gestão Bolsonaro.

Entenda os vazamentos das mensagens trocadas por Moro e Dallagnol

UOL Notícias

* Com Estadão Conteúdo

Veja a programação nas principais cidades:

  • Belém - 9h - Trav. Dr. Moraes
  • Maceió - 9h - Corredor Vera Arruda
  • São Luís - 9h30 - Av. Litorânea - Praça do Pescador
  • Belo Horizonte - 10h - Praça da Liberdade
  • Brasília - 10h - Em frente ao Congresso Nacional
  • Rio de Janeiro - 10h - Posto 5 - Praia de Copacabana
  • Salvador - 10h - Farol da Barra
  • Recife - 14h - Em frente à Padaria Boa Viagem
  • São Paulo - 14h - Em frente à Fiesp e ao Masp
  • Rio Branco - 14h30 - Praça Eurico Dutra (em frente ao Palácio Rio Branco)
  • Aracaju - 15h - Praça Luciano Barreto Júnior
  • Campo Grande - 15h - Caminhada do Obelisco ao MPF
  • Cuiabá - 15h - Praça do Monumento Ulysses Guimarães
  • Curitiba - 15h - Boca Maldita
  • Goiânia - 15h -Em frente à Polícia Federal
  • Manaus - 15h - Teatro Amazonas; 16h - Ponte Negra
  • Natal - 15h -Midway Mall
  • Porto Alegre- 15h - Parcão
  • Vitória - 15h - Praça do Papa
  • João Pessoa - 15h30 - Busto de Tamandaré
  • Boa Vista - 16 - Espaço Alternativo
  • Florianópolis - 16h - Trapiche da Beira Mar
  • Fortaleza - 16h - Praça Portugal
  • Macapá - 16h - Praça do Forte
  • Porto Velho - 16h - Espaço Alternativo
  • Teresina - 16h - Ponte Estaiada
  • Palmas - 17h - Praça dos Girassóis

Política