PUBLICIDADE
Topo

Michelle, mulher de Moro e irmã de Guedes dirigirão programa de voluntários

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

09/07/2019 15h05Atualizada em 09/07/2019 17h45

A primeira-dama Michelle Bolsonaro, esposa de Jair Bolsonaro (PSL), presidirá o conselho do programa Pátria Voluntária, lançado hoje em cerimônia com a participação do presidente da República. A advogada Rosângela Moro, mulher do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, também será conselheira.

No total, o Conselho Nacional de Incentivo ao Voluntariado terá 24 integrantes e será composto por 12 ministros do governo e 12 representantes da sociedade.

Além de Michelle e de Rosângela, também integram o conselho a cantora Elba Ramalho, o velejador Lars Grael, e Elisabeth Guedes, irmã do ministro da Economia, Paulo Guedes. Elisabeth é vice-presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares.

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, participa ao lado do marido, o presidente Jair Bolsonaro, do lançamento do Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado, no Hospital da Criança de Brasília José Alencar, nesta terça-feira (9) -  Fátima Meira/Futura Press/Folhapress
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, participa ao lado do marido, o presidente Jair Bolsonaro, do lançamento do Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado, no Hospital da Criança de Brasília José Alencar, nesta terça-feira (9)
Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress

"Lutaremos incansavelmente para que o voluntariado seja uma marca do governo", disse Michelle ao lançar o programa que pretende promover a participação de cidadãos no trabalho voluntário, ou seja, não remunerado, em parceria com o poder público, organizações da sociedade civil e entidades privadas.

O programa e o conselho estarão ligados ao Ministério da Cidadania, pasta do ministro Osmar Terra, e é semelhante a iniciativa lançada no governo anterior, do presidente Michel Temer (MDB), que recebeu o nome de Viva Voluntário e teve a participação da então primeira-dama, Marcela.

Sem citar nomes, Bolsonaro defende coragem de Moro por prender Lula

UOL Notícias

Política