PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro fala em impeachment para justificar congelamento de R$ 1,4 bi

Caiado e Bolsonaro após assinatura de contrato de concessão de trecho da Ferrovia Norte-Sul - Divugação/Presidência da República
Caiado e Bolsonaro após assinatura de contrato de concessão de trecho da Ferrovia Norte-Sul Imagem: Divugação/Presidência da República

Luciana Amaral

Do UOL, em Anápolis (GO)

31/07/2019 14h14Atualizada em 01/08/2019 08h58

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje que o governo federal promoveu novo contingenciamento de R$ 1,4 bilhão para não correr o risco de sofrer impeachment por descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, como aconteceu com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016.

"O que tenho a dizer a vocês? Se eu não fizer isso, eu vou para o impeachment, pô. Não vamos pedalar, não vamos descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal", declarou Bolsonaro.

"Somos obrigados. Não quero culpar quem nos antecedeu, mas pegamos aí uma União, um Estado quebrado e temos que buscar maneiras de solucionar. Sabemos que íamos encontrar isso pela frente. Ninguém está reclamando não. E como a gente recupera isso? Credibilidade, confiança", acrescentou.

A declaração foi dada após evento em Anápolis (GO) para assinatura de contrato de concessão de trecho da Ferrovia Norte-Sul.

Na oportunidade, ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), Bolsonaro citou a crise financeira do estado para exemplificar as dificuldades financeiras vividas em todas as esferas governamentais.

A decisão do novo contingenciamento foi anunciada na semana passada pelo Ministério da Economia, mas detalhes foram informados apenas ontem.

O Ministério da Cidadania foi a pasta que mais sofreu redução na verba: teve cerca de R$ 619 milhões bloqueados.

Em seguida, vêm os ministérios da Educação e da Economia, com cerca de R$ 340 milhões e R$ 280 milhões congelados, respectivamente.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), ressaltou que o governo está guardando o dinheiro para fins de planejamento e os valores distribuídos a cada ministério serão revisados em setembro para que cada pasta possa terminar o ano sem maiores percalços.

"O orçamento anual é como quem sai para viajar. Se você gastar todo o seu recurso, e a viagem dura dez dias, quando chegar no oitavo dia você não tem mais. O contingenciamento é uma proteção e uma previsão de guardar", ilustrou Lorenzoni.

Governo anuncia bloqueio de R$ 1,44 bilhão no orçamento

redetv

Governo Bolsonaro