PUBLICIDADE
Topo

Política

FHC: Bolsonaro tem incontinência verbal e prejudica o Brasil

22.mai.2018 - O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso - Carine Wallauer/UOL
22.mai.2018 - O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso Imagem: Carine Wallauer/UOL

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

31/07/2019 17h14

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) se manifestou hoje em uma rede social sobre as falas recentes do atual ocupante do Planalto, Jair Bolsonaro (PSL). "O Pr [presidente] despreza os limites do bom senso por sua incontinência verbal", escreveu FHC.

"Contraria documentos oficiais sobre o pai do presidente da OAB e dá vazão a rompantes autoritários. Prejuízo para ele e para o Brasil: gostemos ou não foi eleito. O que diz repercute e afeta nossa credibilidade", afirmou o ex-presidente.

O comentário de Fernando Henrique vem em meio à série de declarações de Bolsonaro, incluindo fabulações sobre a Ditadura Militar e os perseguidos pelo regime. Entre as falas que mais chamaram a atenção, uma "provocação" ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

"Se quiser saber como ele desapareceu, eu conto". A frase foi repetida duas vezes por Bolsonaro nos últimos dias e faz referência ao desaparecimento forçado do pai de Santa Cruz, Fernando Santa Cruz, durante a repressão do regime militar.

"Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele", afirmou Bolsonaro.

Interpelado após as falas, Bolsonaro defendeu os militares e afirmou que militantes de esquerda da Ação Popular -- grupo do qual Fernando fazia parte -- teriam assassinado o pai do atual presidente da OAB.

Documentos oficiais produzidos pelos militares durante o regime militar, entretanto, desmentem a versão propagada por Bolsonaro. Fernando Santa Cruz desapareceu em 1974 após ser preso no Rio de Janeiro por oficiais do DOI-Codi, órgão de repressão da ditadura.

Hoje, o presidente da OAB protocolou um pedido de explicações ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) na tarde de hoje no Supremo Tribunal Federal (STF), para que ele diga o que sabe sobre o desaparecimento de seu pai, morto na ditadura militar (1964-1985).

"É imperioso que o Exmo. Sr. Jair Bolsonaro seja interpelado para esclarecer (i) se efetivamente tem conhecimento das circunstâncias, dos autores e dos locais ligados ao desaparecimento forçado de Fernando Augusto Santa Cruz, e (ii) como teve acesso a tais informações", diz a petição, assinada por 12 advogados.

Eles também pedem um "maior detalhamento" da declaração de Bolsonaro sobre a participação de Santa Cruz em organização por ele qualificada como "sanguinária". "Referida afirmação, feita de maneira obscura e superficial, requer maior detalhamento", diz o documento.

Política