Topo

Sob pressão por reforma, Bolsonaro congela indicação de Eduardo a embaixada

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira, 20 - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira, 20 Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Luciana Amaral e Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

21/08/2019 04h00

Com o Palácio do Planalto sob pressão por reformas e sem votos suficientes para aprovação no Senado, a indicação do deputado federal e filho do presidente da República, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), como embaixador do Brasil nos Estados Unidos está congelada.

A indicação de Eduardo Bolsonaro precisa ser encaminhada à Comissão de Relações Exteriores do Senado pelo presidente Jair Bolsonaro. Na comissão, o deputado passará por uma sabatina presencial. Se aprovado, seu nome terá que passar ainda pelo plenário da Casa. Eduardo já recebeu aval do governo norte-americano.

Embora tenha declarado a vontade de indicar o filho há mais de um mês, Bolsonaro até agora não oficializou o ato por receio de que Eduardo não seja aprovado no Senado. Há um consenso no Planalto de que há muita divergência quanto à iniciativa até mesmo entre aliados, segundo o ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira.

A comissão tem 19 integrantes. Nove estão indecisos ou não revelaram ainda seus votos, segundo levantamento feito pelo UOL.

Um parecer elaborado pela consultoria legislativa do Senado considerou a indicação como nepotismo. Outro, também formulado por técnicos da Casa, não enxergou problemas no ato.

O governo também não quer se indispor com os parlamentares para não afetar a tramitação da reforma da Previdência, que chegou ao Senado para ser analisada, nem atropelar eventuais vetos ao projeto de lei de abuso de autoridade.

A avaliação do Planalto é que, se acumular em pauta temas polêmicos de uma só vez, as matérias de interesse do governo vão travar. "Há prioridades que temos que considerar", disse o ministro da Secretaria-Geral.

Enquanto isso, Eduardo Bolsonaro segue com a peregrinação pelos gabinetes de senadores na tentativa de convencê-los de seu preparo. Nesta segunda (19), postou no Twitter foto após conversa sobre as relações Brasil e Estados Unidos com o secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo.

Ontem pela manhã, ao ser questionado se poderia desistir da indicação, Jair Bolsonaro falou que "tudo é possível" e não querer "submeter o meu filho a um fracasso". Horas depois, Eduardo afirmou que a desistência nunca foi discutida entre os dois.

Não quero submeter meu filho a um fracasso, diz Bolsonaro

redetv

O presidente Bolsonaro viaja aos Estados Unidos em 22 de setembro para participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas, marcada para dois dias depois. Idealmente, a vontade do Planalto é viajar com Eduardo já aprovado como embaixador e, inclusive, festejar sua aprovação em Washington, para onde a comitiva brasileira segue para aniversário do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

O próprio presidente, porém, já considerou não poder chegar ao país com uma derrota dessas. Portanto, a indicação permanece congelada até haver um posicionamento mais claro da comissão no Senado e de matérias paralelas sob a análise do Planalto que dependem do apoio de parlamentares.

Mais Política