Topo

Bolsonaro ironiza pesquisa Datafolha: "Você acredita em Papai Noel?"

O presidente Jair Bolsonaro - Evaristo Sá/AFP
O presidente Jair Bolsonaro Imagem: Evaristo Sá/AFP

Do UOL, em São Paulo

02/09/2019 11h35

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ironizou os resultados da pesquisa Datafolha divulgados hoje, que apontam que a reprovação ao seu governo aumentou. De acordo com o instituto, o percentual de pessoas descontentes aumentou de 33% para 38%.

Em entrevista aos jornalistas, na saída do Palácio da Alvorada, ele disse: "Alguém acredita em Datafolha? Você acredita em Papai Noel? Outra pergunta aí...".

O presidente foi questionado em seguida sobre um comentário anterior que fez sobre pesquisa do Datafolha, quando disse que o resultado parecia "compatível com a realidade" sobre a alta rejeição ao garimpo em terras indígenas. "De vez em quando, quando a pesquisa não é política, há uma tendência de fazer a coisa certa", afirmou.

A pesquisa publicada hoje pelo jornal Folha de S.Paulo, mostra o crescimento na reprovação, enquanto a a aprovação (bom/ótimo) caiu dentro do limite da margem de erro (dois pontos percentuais para mais ou menos), indo de 33% em julho para 29% neste levantamento. O índice de avaliação regular passou de 31% para 30%.

A pesquisa Datafolha foi realizada com 2.878 pessoas em 175 municípios de todo o país, nos dias 29 e 30 de agosto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

O período em que a pesquisa Datafolha registrou o aumento da reprovação a Bolsonaro coincide com o envolvimento em assuntos que tiveram grande repercussão. Ao mesmo tempo em que o governo viu aprovada na Câmara a Reforma da Previdência, houve polêmica em relação à atuação contra as queimadas na Amazônia, à indicação de seu filho Eduardo Bolsonaro para a embaixada em Washington, entre outros.

A pesquisa aponta Bolsonaro como o presidente mais mal avaliado nos oito primeiros meses entre aqueles em primeiro mandato. Fernando Henrique Cardoso (15% de reprovação em 1995), Luiz Inácio Lula da Silva (10% em 2003) e Dilma Rousseff (11% em 2011) tinham índices de ruim/péssimo inferiores neste mesmo período.

Além disso, o presidente perderia para seu maior rival caso a eleição fosse hoje. O instituto aponta que 42% dos votos em um imaginário segundo turno da eleição para presidente da República iriam para Haddad, enquanto Jair Bolsonaro ficaria com 36%. Outros 18% votariam nulo ou branco e 4% não souberam responder.

Política