PUBLICIDADE
Topo

Política

'País está sendo destroçado por um governo de traidores', diz Lula em carta

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em foto de 2016 - Sérgio Castro - 7.nov.16/Estadão Conteúdo
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em foto de 2016 Imagem: Sérgio Castro - 7.nov.16/Estadão Conteúdo

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo

04/09/2019 14h05Atualizada em 04/09/2019 14h41

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em carta publicada no site do petista hoje, que "o país está sendo destroçado por um governo de traidores". No texto, o ex-presidente, que está preso em Curitiba, faz duras críticas às privatizações e à política ambiental do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

"Já provamos, ao longo da história, que é possível enfrentar o atraso, a pobreza e a desigualdade, com soberania e no rumo da justiça social. Mas hoje o país está sendo destroçado por um governo de traidores. Estão entregando criminosamente as empresas, os bancos públicos, o petróleo, os minerais e o patrimônio que não lhes pertence, mas ao povo brasileiro", disse Lula na carta.

O petista declarou que empresas consideradas patrimônios nacionais estão sendo vendidas a grupos estrangeiros. Ele citou a Petrobras, que tem vendido uma série de ativos e subsidiárias para reduzir seu endividamento. Em agosto, a petroleira deixou de ser a controladora da BR Distribuidora e já tem planos de privatizar a Liquigás.

"A Petrobras está sendo vendida aos pedaços a suas concorrentes estrangeiras. Já entregaram dois gasodutos estratégicos, a distribuidora e agora querem as refinarias, para reduzi-la a mera produtora de petróleo bruto e depois vender o que restou", afirmou. "Reduzem a produção de combustíveis aqui para importar em dólar dos Estados Unidos. E por isso disparam os preços dos combustíveis e do gás para o povo".

Lula criticou a Rede Globo e disse que a emissora de TV retrata a Petrobras como um problema nos noticiários. "Se a Petrobras fosse um problema para o Brasil, como a Rede Globo diz todo dia, por que tanta cobiça pela nossa maior empresa e pelo pré-sal, que os traidores também estão entregando?", declarou.

"Os trabalhadores e os mais pobres são os que mais sofrem com essa traição. Cada pedaço do país e das empresas públicas que vendem, a qualquer preço, são milhões de empregos e oportunidades roubadas dos brasileiros", afirmou o ex-presidente.

"O que foi construído com esforço de gerações está ameaçado de desaparecer ou ser privatizado em prejuízo do país, como fizeram com a Telebrás, a Vale, a CSN, a Usiminas, a Rede Ferroviária, a Embraer. E sempre a pretexto de reduzir a presença estado, como se o estado fosse um problema quando, na realidade, ele é imprescindível para o país e o povo", disse Lula.

Na carta, Lula afirmou, ainda, que essa "farra" das privatizações não vai durar para sempre e que os brasileiros encontrarão um meio de recuperar o que lhes pertence.

"Fiquem alertas os que estão se aproveitando dessa farra de entreguismo e privatização predatória, porque não vai durar para sempre. O povo brasileiro há de encontrar os meios de recuperar aquilo que lhe pertence. E saberá cobrar os crimes dos que estão traindo, entregando e destruindo o país", declarou.

Amazônia sob ameaça

O ex-presidente também criticou a postura de Bolsonaro em relação à exploração da Floresta Amazônica. De acordo com a carta, a Amazônia está sob ameaça porque o governo incentiva o desmatamento.

"Até Amazônia está ameaçada por um governo que não sabe e não quer defendê-la; que incentiva o desmatamento, não protege a biodiversidade nem a população que depende da floresta viva", escreveu.

Para Lula, a exploração de terras na Amazônia pelo agronegócio e outras atividades não traz benefício para os brasileiros. "O mercado não vai proteger um dos maiores territórios do mundo, o subsolo e a plataforma continental; a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal. Não vai oferecer acesso universal à educação, saúde, seguridade social, segurança pública, cultura. O mercado não vai construir um país para todos", afirmou.

Críticas à política externa

O ex-presidente fez críticas à política externa do governo Bolsonaro e citou a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, ao cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

"Bolsonaro entregou nossa política externa aos Estados Unidos. Deu a eles, a troco de nada, a Base de Alcântara, uma posição privilegiada em que poderíamos desenvolver um projeto aeroespacial brasileiro. Rebaixou a diplomacia a um assunto de família e de conselheiros que dizem que a terra é plana", declarou.

Lula também criticou a aproximação do governo Bolsonaro com o do presidente norte-americano, Donald Trump.

"[Bolsonaro] Trocou nossas conquistas na OMC [Organização Mundial do Comércio] pela ilusão da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico], o clube dos ricos que o desprezam. Anunciou um acordo com a União Europeia, sem pesar vantagens e prejuízos, e agora brinca de guerra com os europeus para fazer o jogo de Trump", disse.

Política