Topo

Bolsonaro ficará afastado da Presidência por mais 4 dias por decisão médica

Bolsonaro publica foto com sonda nasogástrica em seu perfil no Facebook - Reprodução/Facebook
Bolsonaro publica foto com sonda nasogástrica em seu perfil no Facebook Imagem: Reprodução/Facebook

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

12/09/2019 18h05Atualizada em 12/09/2019 19h31

Jair Bolsonaro ficará mais quatro dias afastado da Presidência da República por decisão médica. Ele está em recuperação no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, após a quarta cirurgia decorrente do atentado a faca que sofreu durante a campanha eleitoral. A previsão inicial era que o chefe do Executivo retomaria suas atribuições amanhã.

"A recuperação do senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, evolui positivamente. Entretanto, a equipe médica da Presidência da República decidiu mantê-lo afastado do exercício da função de chefe do Poder Executivo, por mais quatro dias, a contar de 13 de setembro de 2019, com a finalidade de proporcionar maior tempo de descanso", informou o porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, em comunicado enviado à imprensa.

Com o período adicional de descanso, Bolsonaro permanece afastado da Presidência até o fim da próxima segunda-feira, com previsão de voltar ao cargo somente na terça. O porta-voz da Presidência disse que o descanso adicional de quatro dias "vai acelerar o processo de recuperação do presidente".

"Com toda naturalidade, o vice, general Mourão, permanece como presidente em exercício", disse Rêgo Barros. Segundo ele, não houve um fator preponderante para que a extensão do afastamento fosse decidida. "Me parece que é mais questão de conforto, para ele exercer com plenitude a Presidência", afirmou.

O presidente ainda está com a sonda nasogástrica que foi colocada anteontem para auxiliar na retirada de gases do intestino. O porta-voz destacou que ela já não está mais drenando líquidos, mas ainda causa certo incômodo, além de impedir o presidente de falar.

Mais cedo, o cirurgião médico Antônio Luiz Macedo afirmou esperar a retirada da sonda entre hoje e amanhã. Segundo o porta-voz, apesar de o afastamento ter sido decidido pela equipe médica, Bolsonaro também participou dessa avaliação.

"Ele recebeu a notícia preparado, é uma pessoa forte. Ele próprio participou da decisão, mas a decisão final é dos médicos", disse. Apesar de permanecer afastado, o presidente mantém a agenda de viagem à assembleia da ONU (Organização das Nações Unidas), marcada para o dia 24 de setembro.

O presidente fez sua live semanal nas redes sociais.

Presidente tem evolução "favorável"

Ontem, a equipe médica anunciou que Bolsonaro teve a alimentação oral suspensa e passou a ser alimentado por via endovenosa. O presidente também precisou receber uma sonda nasogástrica para eliminar gases do intestino.

O cirurgião médico Antônio Luiz Macedo, que acompanha Bolsonaro desde a facada, disse que a colocação da sonda não representa um retrocesso na recuperação do presidente, mas sim uma "consequência". "Qualquer grande laparotomia [abertura cirúrgica do abdome], o intestino sente."

Boletim médico divulgado na manhã de hoje aponta que o presidente tem evolução clínica favorável e recupera progressivamente os movimentos do intestino.

Mais Política