Topo

"Loucura" de Adélio e "golpe" levaram Bolsonaro ao poder, diz Haddad

13.out.2019 - O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) participa de ato pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo - Vilmar Bannach/Photopress/Estadão Conteúdo
13.out.2019 - O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) participa de ato pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo Imagem: Vilmar Bannach/Photopress/Estadão Conteúdo

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

13/10/2019 17h54Atualizada em 13/10/2019 18h55

Resumo da notícia

  • "Só a loucura do Adélio para levar Bolsonaro para o poder de um país tão importante quanto o Brasil", disse o petista em ato por liberdade de Lula
  • Haddad falou em um "golpe" em três atos: impeachment de Dilma, cassação da candidatura de Lula e uso do WhatsApp para espalhar informações falsas
  • Segundo o ex-prefeito de São Paulo, Bolsonaro é "um homenzinho que nos envergonha todo dia no exterior"
  • No mesmo ato, Guilherme Boulos (PSOL) criticou opositores a Bolsonaro que não apoiam Lula "por razões eleitoreiras"

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que ficou em segundo lugar na eleição presidencial do ano passado, disse hoje na capital paulista que a "loucura" de Adélio Bispo --autor da facada no então candidato Jair Bolsonaro (PSL)-- e um "golpe na democracia brasileira" levaram à vitória do atual presidente na disputa pelo Palácio do Planalto.

Haddad participou hoje de um ato na avenida Paulista, região central de São Paulo, em defesa da libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em um discurso de cerca de dez minutos, ele definiu o "golpe" como um acontecimento em três atos: o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a cassação da candidatura de Lula em 2018 e o uso do WhatsApp para a disseminação de informações falsas.

"Sem essas três ações, nós não teríamos o Bolsonaro no poder. Porque só a loucura do Adélio para levar o Bolsonaro para o poder de um país tão importante quanto o Brasil. Um homenzinho que nos envergonha todo dia no exterior. Todo dia ele comete uma indiscrição, ele quebra o protocolo e envergonha essa nação na presença dos maiores líderes do mundo", disse Haddad.

O ex-ministro da Educação nos governos do PT também criticou o recente elogio feito pelo vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) às capitanias hereditárias, classificadas como exemplo de "empreendedorismo".

"Essa é a cabeça deles, eles são escravocratas. Tudo para eles tem que ser hereditário", afirmou Haddad.

Boulos faz crítica velada a Ciro

Especificamente sobre a prisão de Lula, Haddad afirmou que o ex-presidente "está pagando com a sua liberdade" por ter dado início a um projeto para combater a desigualdade no país.

Lula foi condenado em três instâncias pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do tríplex, da Operação Lava Jato. Sua defesa afirma que não há provas dos crimes imputados ao ex-presidente.

Também participou do evento o coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), Guilherme Boulos, que disputou a presidência em 2018 pelo PSOL. Coube a Boulos uma crítica indireta a outro candidato de esquerda na última eleição, Ciro Gomes (PDT), que tem sido abertamente crítico ao PT e Lula desde o fim da campanha eleitoral.

"Querem encarcerar [com a prisão de Lula], na verdade, simbolicamente, a resistência do povo brasileiro. Esse é o objetivo. E o que nós viemos dizer é que essa luta, exatamente por isso, não é a luta de um partido, de um movimento, é a luta por justiça, por democracia. É uma pena, é lamentável que ainda exista gente no campo da oposição a Bolsonaro que se recuse a entender isso, por razões menores, por razões eleitoreiras", disse Boulos.

Segundo o coordenador do MTST, a oposição a Bolsonaro precisa ter a "grandeza da unidade, de colocar as nossas diferenças abaixo das nossas convergências".

Em entrevista ao UOL e à Folha publicada hoje, Ciro Gomes voltou a fazer críticas a PT e Lula. Segundo ele, "além de se corromperem dramaticamente, eles [os petistas] perderam a noção e passam a fazer uma aposta na ignorância do povo. Apologia do culto à personalidade. E isso é um desastre para o Brasil."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Política