PUBLICIDADE
Topo

Candidato defende que PT não use dinheiro público para se manter

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

02/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Ex-secretário-executivo do Foro de São Paulo é candidato a presidente do PT
  • Valter Pomar defende que a militância banque o partido, não dinheiro público
  • Candidato, porém, é a favor do fundo eleitoral contra desigualdades entre candidaturas
  • Pomar quer "oposição radical" a Bolsonaro, que deveria deixar governo antes de 2022
  • Para ele, Haddad deve ser o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo no ano que vem
  • Entre suas bandeiras, estão mudanças no PT, que precisa ser "mais vermelho"

Os militantes devem ser os responsáveis por manter o PT financeiramente, propõe Valter Pomar, candidato a presidente do partido. De acordo com dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a sigla recebe cerca de R$ 7,4 milhões por mês do fundo partidário, formado por dinheiro público, menos apenas que os R$ 8,3 milhões do PSL, partido do presidente da República, Jair Bolsonaro.

"Para mim, partidos políticos, como clubes, igrejas, têm que ser sustentados por seus apoiadores", disse em entrevista ao UOL por telefone. "Por que, com meu imposto, eu tenho que financiar o PSL? Por que alguém do PSL tem que, com seu imposto, financiar o PT?"

Pomar é um dos quatro candidatos a presidência do PT até o momento. A escolha será feita no 7º congresso do partido, a ser realizado em 24 de novembro. Outros filiados podem se lançar ao posto até lá.

Além de Pomar, estão na disputa a atual presidente, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), e outros dois colegas da parlamentar na Câmara: Paulo Teixeira (SP) e Margarida Salomão (MG). O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apoia Gleisi.

Professor de relações internacionais da UFABC (Universidade Federal do ABC), Pomar já foi secretário-executivo do Foro de São Paulo, organização que reúne partidos de esquerda da América Latina. Ele disputa a presidência do PT pela quarta vez.

Para o candidato, o partido deve depender apenas de sua militância para pagar suas contas, o que, na sua visão, garantiria sua independência. A reportagem pediu ao PT o valor arrecadado por mês junto a militantes, mas não obteve resposta até a publicação do texto.

Apesar de defender que o partido se mantenha com recursos de seus militantes, Pomar é favorável que as eleições sejam pagas com dinheiro público. "É democrático que as eleições sejam financiadas pelo Estado, e não é democrático que os partidos sejam financiados pelo Estado", avalia. "Senão, alguns vão ter mais recursos que outros, buscar dinheiro legal ou ilegal junto ao setor empresarial."

Pomar acredita que, hoje, há "uma grande parte do PT que não percebe a diferença entre o financiamento público do partido e o financiamento público das eleições". "Não deve ser o Estado que financia a atividade de um partido político", afirma.

Bolsonaro posta vídeo em que é leão cercado por "hienas"

UOL Notícias

"Fora, Bolsonaro"

O financiamento do partido, porém, não é a principal bandeira de sua campanha nesse momento. Uma "oposição radical" a Bolsonaro é um dos eixos de sua candidatura.

Para ele, o governo de Bolsonaro não é legítimo porque derivou do impeachment que tirou a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) do Planalto em 2016. Os petistas qualificam esse processo como "golpe".

"Não reconheço a legitimidade do governo Bolsonaro. Portanto, não reconheço que ele tenha direito que ele tem de encerrar o mandato em 2022. Vou buscar todos os meios democráticos para que esse mandato seja abreviado", disse, citando como instrumentos manifestações, apoio popular e processos contra o presidente.

"Esse governo tem que acabar. Quando a maior parte da população brasileira exigir isso, as instituições construirão um caminho para viabilizar isso."

Pomar discorda que esse pensamento seja similar ao criticado por petistas a respeito do processo de impeachment. "Afastar um governo produto de um tríplice golpe não é um golpe, é um mecanismo de salvação nacional."

Lula acena para Marta e diz querer ser a 'Fernanda Montenegro de Ciro'

UOL Notícias

Haddad em 2020

Em sua luta contra Bolsonaro, Pomar diz que a esquerda e o PT precisam vencer a eleição para a Prefeitura de São Paulo em 2020. Para isso, ele defende que o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) esteja na disputa. Haddad substituiu Lula, que está inelegível, como candidato ao Planalto na eleição passada, tendo sido derrotado por Bolsonaro.

"Nós precisamos impor uma derrota à direita na principal cidade do país do ponto de vista político, econômico, eleitoral. E a candidatura que tem maior potência é a dele", avalia. Até o momento, Haddad não é visto como candidato do partido para o ano que vem.

Pomar rejeita a possibilidade de a ex-prefeita Marta Suplicy (sem partido) ser a candidata apoiada pelo PT na capital paulista. "Em hipótese alguma. Pelos motivos que ela própria nos deu", diz. Em entrevista ao UOL em outubro, Lula fez elogios à ex-petista, que apoiou o impeachment de Dilma. Para o candidato, "Lula é muito generoso".

Apesar de Lula estar inelegível, Pomar quer o ex-presidente como candidato do partido na próxima disputa pelo Planalto. De acordo com ele, o PT precisa trabalhar para tirá-lo da prisão e para anular os processos contra o ex-presidente. Por isso, ele evita falar em outras possibilidades para 2022. "Para mim, a candidatura precisa ser a do Lula. É hora de dobrar a pressão [em prol de Lula], quero pressão máxima."

Para Pomar, o PT ainda é a maior força da esquerda do país, mas, "se não mudar de política, mudar seu jeito de funcionar, corre muito risco". "A única ameaça à sobrevivência do PT está em não perceber que o partido precisa fazer mudanças."

Entre as alterações necessárias, na sua visão, o partido precisa estreitar os laços com a classe trabalhadores e enfatizar seus traços socialistas, e ser mais radical e combativo. "O caminho do PT para voltar a governar o país, para voltar a transformar o país é pela esquerda. O PT precisa ser mais vermelho."

Haddad: Ciro e Doria terão dificuldades em 2022 por falta de identidade

UOL Notícias

Política