Topo

FHC critica polarização e pede foco em crescimento e emprego no Brasil

22.mai.2018 - O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso - Carine Wallauer/UOL
22.mai.2018 - O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso Imagem: Carine Wallauer/UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/11/2019 13h06

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso usou sua conta no Twitter para se manifestar mais uma vez em meio aos recentes acontecimentos com a libertação de seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva, e os ataques entre o petista e membros do governo de Jair Bolsonaro. O tucano criticou aumento da polarização e pediu por "alternativas populares e progressistas" para combater o que chamou de "jogo político/pessoal".

"Em meu tempo a questão central era a inflação; hoje é crescimento e emprego. Sem corrupção. No começo era o verbo. Novamente, com gestos e ações os caminhos abrem-se. A eles!", disse FHC, que governou o Brasil entre 1995 e 2002 em uma fase de consolidação do Plano Real, que ele ajudou a implantar como ministro da Fazenda na gestão de Itamar Franco na busca de combater os tempos de hiperinflação vividos pelo país.

Na sexta-feira (8), momentos antes da saída de Lula da cadeia em Curitiba, onde ficou preso por 580 dias, FHC disse ao colunista do UOL Tales Faria que o petista, apesar da então já provável libertação, seguiria "ficha suja" e impossibilitado de se candidatar. Por isso, o tucano pediu uma aliança mais ampla ao centro político.

"Mais do que nunca se torna necessário uma aliança em torno de alguém que represente o que chamo de um centro liberal, democrático e progressista. Que respeite as forças do mercado, mas entenda que as pessoas existem. Que tenha lado e não acredite que a pobreza e a miséria desaparecem quando o mercado vai para as alturas", disse FHC.

Política