Topo

Moro critica mídia por divulgação de vazamentos: "Absoluto sensacionalismo"

Moro responde a perguntas sobre as mensagens que teriam sido trocadas entre ele e procuradores da Lava Jato - Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Moro responde a perguntas sobre as mensagens que teriam sido trocadas entre ele e procuradores da Lava Jato Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

12/11/2019 09h27

O ministro da Justiça, Sergio Moro, criticou a maneira com que as mensagens de procuradores da força-tarefa da Lava Jato estão sendo divulgadas pelo site The Intercept.

Em entrevista concedida à Rádio Bandeirantes, Moro classificou como "sensacionalismo" o conteúdo que vem sendo noticiado por parte da imprensa.

"O que houve foi um hackeamento criminoso, uma invasão criminosa de celulares dos procuradores. Foi uma divulgação de mensagens, cuja autenticidade até hoje não foi demonstrada, com absoluto sensacionalismo, coisas exageradas que mostram um desconhecimento da prática jurídica", afirmou o ministro, que é citado em alguns vazamentos.

Sem citar nomes, Moro ainda disse que a divulgação tem como finalidade suspender algumas investigações. "Apesar de alguns se vangloriarem por isto, a meu ver existe apenas uma divulgação de supostas mensagens, obtidas por meios criminosos, para anular condenações de pessoas que cometeram crimes graves de corrupção. Não vejo como isso possa ser positivo para qualquer pessoa de bom senso".

Prisão em 2ª instância

O ministro também comentou a decisão do STF de proibir a prisão após condenação em 2ª instância, por 6 votos a 5.

Para Moro, a divisão no número de votos mostra que não houve total convergência entre os ministros da Casa.

"Ficou muito claro que a decisão do STF foi dividida. O STF decidia de uma forma, mudou isso em 2016 e agora, com um novo julgamento, se formou nova maioria com um voto de diferença. Temos que respeitar a decisão, evidentemente, mas fica claro que, pela maioria apertada, a compreensão dos ministros sobre a presunção de inocência não é totalmente convergente".

O ministro ainda reafirmou a possibilidade de o Congresso mudar o ato do STF.

"Neste sentido, parece claro que não é possível entender que isso não é algo imutável. O próprio Toffoli, que proferiu o voto definitivo, sinalizou que não vislumbrava isso como sendo algo que não pudesse ser modificado. O Congresso tem competência de alterar a Constituição seguindo os procedimentos próprios. O tribunal proferiu uma decisão que gera problemas na aplicação da Justiça, mas é possível alterá-la. Vejo isso com naturalidade".

Política