PUBLICIDADE
Topo

Com Witzel, escoltas policiais se tornam ferramenta de retaliação política

O governador do Rio, Wilson Witzel, em cerimônia da Polícia Militar - SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
O governador do Rio, Wilson Witzel, em cerimônia da Polícia Militar Imagem: SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Gabriel Sabóia e Luís Adorno

Do UOL, no Rio e em São Paulo

06/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Witzel tem feito de escoltas policiais ferramenta de retaliação política a seus opositores
  • Especialistas ouvidos pelo UOL definiram a postura como "pouco republicana"
  • Entre os alvos estão opositores, ex-aliados e até o prefeito Marcelo Crivella

Em menos de um ano à frente do governo do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) elegeu a segurança pública como carro-chefe do seu mandato, enaltecendo o trabalho de policiais e o combate ao crime organizado. Com interesse declarado em concorrer à Presidência em 2022, o governador tem feito de escoltas policiais uma ferramenta de retaliação política. Especialistas ouvidos pelo UOL contestam a postura "pouco republicana de Witzel", que já atingiu antigos aliados, opositores e até o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos).

No momento, deputados estaduais do PSL que declaram lealdade a Jair Bolsonaro (sem partido) continuam com escolta graças a uma liminar da Justiça. No último mês, Witzel tentou retirar a escolta feita por 15 PMs para os parlamentares depois de Bolsonaro ter declarado que vinha sendo perseguido pelo chefe do Executivo fluminense.

Em março, Witzel determinou que os 27 policiais militares que fazem a segurança de Crivella fossem realocados em outras funções. A decisão aconteceu depois de Crivella ter criticado PMs em um evento.

Além de definir o estado fluminense como "uma esculhambação completa", o prefeito disse que policiais militares sobem os morros para pegar arrego (propina). Ao justificar a atitude de retirar a escolta policial, Witzel afirmou que "a questão é simples: a Polícia Militar tem de ter credibilidade. Se você não acredita numa instituição, ela não pode estar a seu lado".

Witzel, no entanto, voltou atrás da decisão depois de Crivella ter se desculpado.

O cientista político Paulo Baía da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) contesta a argumentação de Witzel e afirma que, ao agir desta forma, coloca vidas em risco.

"Alguns governantes —e a gestão de Witzel se caracteriza por isto— usam o cargo de forma absolutista, como se as regras simplesmente não existissem. A escolta pressupõe que a pessoa que faz uso, está correndo risco de morte. Esta não é uma retaliação qualquer, é uma retaliação desumana que põe a vida das pessoas em risco, desestabiliza familiares. A escolta é uma questão de determinação judicial, a pessoa não tem essa escolha", afirma.

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) também sofreu a sanção do governador depois de denunciá-lo à ONU (Organização das Nações Unidas) pela letalidade policial do seu mandato.

Depois de ter tido ameaças de morte detectadas, a própria PF (Polícia Federal) informou o caso ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), que enviou um ofício a Witzel, solicitando proteção e escolta 24 horas para a parlamentar quando ela estivesse no Rio.

Witzel não se manifestou de maneira favorável à escolta. A parlamentar está sendo acompanhada por agentes da Polícia Legislativa em todos os lugares nos quais circula em Brasília, onde trabalha. Os agentes a acompanham também em viagens ao Rio.

Na ocasião em que negou escolta a Talíria no Rio, Witzel justificou, por meio de nota, que "por se tratar de um pleito na esfera federal, o gabinete concluiu que este deve ser verificado pela Polícia Federal". Talíria relatou o caso em entrevista ao UOL.

Cientista político e professor da PUC-Rio, Ricardo Ismael ressalta que Witzel flerta com o risco de ser responsabilizado por eventuais mortes decorrentes dessas retaliações.

"Alguns parlamentares enfrentam organizações criminosas e, inegavelmente, sofrem ameaças. O que não pode acontecer é um governador de estado escolher quem recebe a proteção. Quais são os critérios dessa seletividade? Está longe de ser uma atitude republicana. O mínimo que se espera de um governante é um tratamento igualitário para questões de direitos humanos, independente de partido político. Se acontecer algo com um dos ameaçados, a responsabilidade será dele. O crime organizado do Rio mata, sim. Basta lembrar do crime que envolveu a morte da Marielle Franco, que sequer tinha ameaças", diz.

Do mesmo partido de Talíria, o deputado federal Marcelo Freixo convive com ameaças de morte e escolta policial há anos por ter presidido a CPI das Milícias na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Freixo segue protegido no Rio por agentes de segurança da PM que fazem a sua escolta. Em Brasília, onde cumpre mandato, ele conta com a proteção da Polícia Legislativa.

Crítico da política de segurança de Witzel, Freixo diz ter recebido uma mensagem do governador com teor intimidatório depois de uma fala que o desagradou.

"Depois de divergir de mim, ele mandou uma mensagem lembrando que eu tinha escolta no Rio de Janeiro. Educadamente, disse a ele que se manifestasse através de ofícios, e não no meu contato pessoal. O caso não teve consequências, não foi levado adiante. Mas o governador precisa entender que escolta é algo com que não se brinca. Escolta não faz a vida de ninguém melhor, eu posso garantir isto. Não se trata de um privilégio. Isso não pode ser um instrumento para resolver divergências", afirma o parlamentar.

Procurado para comentar o uso das escoltas com fins políticos, Witzel não se manifestou.

Conduta de Witzel é similar à de ministro italiano

A ação de Witzel não é nova na política. Na Itália, desde o ano passado, o ministro do Interior, Matteo Salvini, utiliza escoltas para controlar a opinião pública de políticos, jornalistas e qualquer personalidade que possa influenciar a população.

No Brasil, as escoltas a personalidades ocorrem por receio da violência urbana provocada por facções criminosas, vingança por motivo torpe ou ações de milícias. Na Itália, o principal receio tem relação com as máfias, principalmente as duas mais violentas: 'Ndrangheta e Camorra.

O jornalista, escritor e palestrante Roberto Saviano, jurado de morte pela Camorra após série de investigação sobre a máfia, mora em um quartel-general de Roma há anos, com a escolta em escala mais grave que existe na Itália. No ano passado, Salvini ameaçou retirar sua escolta.

Saviano criticava o governo desde o início da gestão do ministro. Após uma dessas criticas, Salvini afirmou que o escritor passava muito tempo no exterior, que as instituições nacionais iriam reavaliar como se gasta o dinheiro público e enviou um beijo, em tom irônico, a Saviano.

A tática do ministro deu certo. Saviano moderou o tom de crítica e manteve sua escolta, e vida, resguardados. O mesmo não ocorreu com outros jornalistas, sobretudo de Nápoles, no sul da Itália, que abriram mão da escolta, mas tiveram que viver em outro país.

Política