PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro critica fundão, mas usou R$ 200 mil de verba pública em 2014

Bolsonaro durante sua campanha para a Câmara em 2014 - Reprodução - 18.set.2014/Facebook
Bolsonaro durante sua campanha para a Câmara em 2014 Imagem: Reprodução - 18.set.2014/Facebook

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

03/01/2020 19h32

Resumo da notícia

  • Presidente endossa campanha pelo voto em candidato que não usa dinheiro público
  • Na campanha a deputado em 2014, Bolsonaro usou R$ 200 mil do fundo partidário

Com o impasse sobre a sanção ou veto do fundo eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou a defender que o eleitor "não vote em quem usa fundão". Mas, se tivesse o mesmo posicionamento em 2014, talvez não teria sido eleito deputado federal.

Naquela campanha, a maior parte da verba era pública, repassada pelo PP: cerca de R$ 200 mil do total de R$ 205,2 mil. Na época, Bolsonaro era filiado ao PP, partido pelo qual disputou a eleição que lhe deu o sétimo mandato na Câmara.

Os valores constam da prestação de contas de Bolsonaro junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Desde o mês passado, o presidente dá declarações contrárias ao fundo partidário, verba pública para custear campanhas

O montante aprovado pelo Congresso para o ano de 2020 é de R$ 2 bilhões e teve anuência do Planalto. Para passar a valer, resta Bolsonaro sancionar o projeto. O presidente havia sinalizado que vetaria os recursos, mas recuou.

Bolsonaro indica que deve sancionar fundo eleitoral

Band Notí­cias

Verba pública em 2014

Em 2014, Bolsonaro recebeu, oficialmente, R$ 400 mil da direção nacional do PP. Desse valor, ele devolveu R$ 200 mil, que tinham sido repassados legalmente ao partido pela JBS. Bolsonaro justificou que não usaria dinheiro da Friboi.

"Quando vi o nome da Friboi, perguntei se queriam estornar. Falei que ia para a Câmara dos Deputados, ia jogar R$ 200 mil e dizer que é dinheiro do povo, porque foi dinheiro que pegaram do PT para se coligar com o meu partido (...) Friboi não colocou nada na minha conta, foi o partido", disse à rádio Jovem Pan, em 2017.

Nas campanhas anteriores, de 2002, 2006, 2010 e 2018, Bolsonaro não utilizou dinheiro público e custeou do próprio bolso a maior parte dos seus gastos.

Atualmente há dois tipos de fundos públicos para partidos/eleições: eleitoral (para custear campanhas) e partidário (para custear o funcionamento das siglas ao longo do ano).

Na eleição de 2014, não existia o fundo eleitoral, criado em 2017. Assim, as declarações do PP constam como doação do "fundo partidário".

Procurada pelo UOL no início da noite de hoje, a Secretaria Especial de Comunicação disse que o Palácio do Planalto não irá comentar o tema.

Em dezembro, líderes partidários recuaram e aceitaram fundo eleitoral menor

Band Notí­cias

Política