PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que fará campanha contra fundo eleitoral

Presidente deu a entender que sancionará o fundão eleitoral e voltou a afirmar que fará campanha contra os políticos que o utilizarem - Evaristo Sa/AFP
Presidente deu a entender que sancionará o fundão eleitoral e voltou a afirmar que fará campanha contra os políticos que o utilizarem Imagem: Evaristo Sa/AFP

Marcelo Oliveira

do UOL, em São Paulo

10/01/2020 19h42

Durante a inauguração do Pronto-Socorro Particular da Santa Casa de Misericórdia de Santos, nesta sexta-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu a entender que sancionará o fundão eleitoral, o FEFC (Fundo Especial de Financiamento de Campanha Eleitoral), estabelecido em R$ 2,034 bilhões no Orçamento da União, e voltou a afirmar que fará campanha contra os políticos que o utilizarem.

"Eu tenho um momento difícil pela frente, a questão dos R$ 2 bilhões do fundão. Eu lanço a campanha aqui: não vote em parlamentar que receber o fundão", disse.

Neste momento os fãs que o presidente autorizou a entrada começaram a gritar: " Bolsonaro, para quê fundão? Você foi eleito com apoio da nação!".

Segundo Bolsonaro, ele foi eleito usando apenas oito segundos de TV e que "quem quer muito tempo e muito dinheiro quer esconder a verdade".

O presidente também disse ser obrigado a sancionar o fundão porque deve a cumprir a lei que o criou. Ele ainda voltou a dizer que corre risco de impeachment se não sancionar a lei: "Não vou dar mole para a oposição".

Antes o presidente se confundiu com a fala do provedor da Santa Casa de Santos, a mais antiga do Brasil, fundada em 1543. Ele disse que o pronto-socorro havia sido erguido com ajuda de verbas de emendas parlamentares. O provedor Ariovaldo Feliciano, em seu discurso, havia dito justamente o contrário, que o PS foi erguido com dinheiro da entidade.

Bolsonaro saiu sem falar com a imprensa, antes cumprimentando um grupo de fãs que o esperava na saída do hospital.

Clima de campanha

O evento em Santos teve clima de campanha não apenas devido às menções ao fundo eleitoral. Bolsonaro era saudado por fãs aos gritos de "mito", "Bolsonaro, cadê você? Eu vim aqui só pra te ver" e "a nossa bandeira jamais será vermelha".

O protocolo do evento foi quebrado para que fãs que o aguardavam na rua do hospital fossem autorizados a passar o cercado e entrar no estacionamento da Santa Casa, se aproximando do palco.

Ele cumprimentou primeiro essas pessoas e depois festejou com o público credenciado para a inauguração.

Bolsonaro disse que fez questão de ir ao evento por dever a vida "a Deus e a uma Santa Casa". Segundo ele, o atendimento que recebeu na Santa Casa de Juiz de Fora salvou sua vida após o atentado a faca sofrido na campanha presidencial de 2018.

Política