PUBLICIDADE
Topo

Política

Luciano Huck diz que discurso de Alvim é 'criminoso, violento e perverso'

O apresentador Luciano Huck durante o Fórum da Revista Exame 2019 - RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
O apresentador Luciano Huck durante o Fórum da Revista Exame 2019 Imagem: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

17/01/2020 12h04Atualizada em 17/01/2020 12h22

O apresentado Luciano Huck, que é de família judia, classificou o vídeo do secretário da Cultura, Roberto Alvim, como "criminoso" e afirmou que ele "revela uma conduta autoritária inaceitável" para uma democracia.

"Usar a Cultura p/ fazer revisionismo histórico é perverso, atrasado e violento. O vídeo do secretário Roberto Alvim é criminoso. Infame. Revela uma conduta autoritária inaceitável, que rompe os limites democráticos com um discurso fora da lei", escreveu Huck em suas redes sociais.

O apresentador é ventilado como possível candidato à Presidência em 2022. Nas eleições de 2018, seu nome chegou a ser cogitado, mas ele desistiu da campanha presidencial.

Huck se juntou a vários outros artistas que também criticaram a fala do secretário.

Trecho copiado de discurso nazista

Alvim tem sido alvo de inúmeras críticas por um trecho de seu pronunciamento divulgado ontem pela Secretaria da Cultura nas redes sociais.

No vídeo, o secretário diz: "A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada".

O livro "Goebbels: a Biography", de Peter Longerich, mostra que o líder nazista teria feito uma fala muito semelhante na década de 1940: "A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada".

Críticas

Na manhã de hoje, Alvim recebeu críticas do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que pediu no Twitter que o governo brasileiro o afaste imediatamente do cargo.

"O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo", escreveu.

Também na manhã de hoje, Alvim foi criticado por Olavo de Carvalho, que escreveu, no Facebook, que o secretário "não está muito bem da cabeça".

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) disse, no Twitter, que o partido pedirá o indiciamento de Alvim pelo crime de apologia ao nazismo.

"Coincidência retórica"

Depois das críticas, o secretário foi ao Facebook se explicar. Segundo ele, o que aconteceu foi uma "coincidência retórica". Ele disse que "não há nada de errado com a frase" e que a esquerda está "tentando desacreditar" a iniciativa.

"O que a esquerda está fazendo é uma falácia de associação remota", escreveu. "Com uma coincidência retórica em uma frase sobre nacionalismo em arte estão tentando desacreditar todo o Prêmio Nacional das Artes [programa anunciado na ocasião], que vai redefinir a Cultura brasileira".

Ele reforçou: "Eu não citei ninguém. O trecho fala de uma arte heroica e profundamente vinculada às aspirações do povo brasileiro. Não há nada de errado com a frase. Todo o discurso foi baseado num ideal nacionalista para a Arte brasileira. Não o citei e jamais o faria, mas a frase em si é perfeita".

Ouça o podcast Baixo Clero, com análises políticas de blogueiros do UOL. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política