PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que orientou Guedes a focar reforma em impostos federais

Debate sobre tributos municipais atrapalha, alertou o presidente - Reprodução/Facebook
Debate sobre tributos municipais atrapalha, alertou o presidente Imagem: Reprodução/Facebook

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

22/02/2020 13h49

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado (22) que orientou o ministro da Economia, Paulo Guedes, a priorizar os impostos federais na reforma tributária. Segundo ele, a preocupação com taxas e impostos municipais e estaduais pode inviabilizar a proposta no Congresso

"Paulo, se preocupa com os impostos federais porque se botar estados e municípios, vai acontecer o que eu vi ao longo de 28 anos na Câmara", narrou o presidente, em conversa com jornalistas no Guarujá (SP), cidade litorânea onde passa o feriado do carnaval com a filha.

Bolsonaro avaliou que a reforma tributária é "muito importante", mas que incluir impostos de fora da União no debate vai atrapalhar a aprovação da matéria pelos deputados e senadores. "Não se resolve, e continua essa questão... um emaranhado de leis".

Ele criticou a ação da Receita Federal. Disse que, antes de sua chegada ao governo, o Fisco tinha "um comportamento diferente". "Uma Receita Federal que tinha um comportamento diferente de quando eu cheguei. A Receita, com instruções normativas, dificulta a vida de muita gente. Tem um trabalho bom? Tem. Evita fraude e sonegação."

O presidente voltou a dizer que a proposta do governo para a reforma administrativa está pronta. "Depois do carnaval a gente apresenta", afirmou.

Presidente disse que regras ambientais atrapalham economia

Bolsonaro visitou um supermercado e cumprimentou moradores na ruas da cidade. Ao final, colocou um chapéu de couro na cabeça e questionou porque os cearenses teriam a "cabeça grande".

Nas conversas com os jornalistas, que chegaram a ser atrapalhadas pelos gritos de uma militante idosa, ele criticou as regras ambientais.

Bolsonaro disse que, muitas vezes, elas atrapalham o desenvolvimento da economia, como na região do Vale do Ribeira, próxima do Guarujá. Segundo ele, o local tem potencial turístico, mas baseia sua economia apenas na produção de banana.

"O que está faltando é destravar a economia, o que o Paulo Guedes vem fazendo e o Ricardo Salles [ministro do Meio Ambiente]. O próprio procurador geral da República, Augusto Aras, está pacificando a questão de índios, no Mato Grosso do Sul. Outra questão: o Tarcísio [Freitas, ministro da Infraestrutura], o Supremo [Tribunal Federal], com a participação do PGR, vai destravar em muito a construção de ferrovias no Brasil."

Presidente defende "Estado mais leve"

Bolsonaro afirmou que quer fazer privatizações, como a dos Correios, e "deixar o Estado mais leve" para evitar que futuros governantes coloquem pessoas de seus interesses nas estatais.

"Quem por ventura for assumir, se tiver uma ideia diferente, não tem um montão de estatal para ele botar gente lá dentro". Bolsonaro acrescentou que algumas estatais e bancos oficiais são "estratégicos" e, por isso, não se pensa em vendê-los.

Na semana passada, Bolsonaro demitiu o presidente do Inmetro. Hoje ele comentou: "Implodi, mandei todo mundo embora".

A previsão do presidente é voltar a Brasília na quinta-feira (27), a não ser que algo anormal aconteça, como a greve dos petroleiros, que, por ora, segue suspensa.

Política