PUBLICIDADE
Topo

Secretários de Saúde se dizem estarrecidos com pronunciamento de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro - Andressa Anholete/Getty Images
O presidente Jair Bolsonaro Imagem: Andressa Anholete/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

24/03/2020 23h16

Em carta aberta, divulgada agora à noite, secretários de Saúde da região Nordeste criticaram pronunciamento feito pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), no qual ele ataca governadores e pede o fim do confinamento em massa.

No documento, ao qual o UOL teve acesso, os secretários se dizem "estarrecidos" ao ver o chefe do Executivo negando todas as recomendações para combate à pandemia do coronavírus.

"Percebemos, com espanto, os graves desencontros entre o pronunciamento do presidente e as diretrizes cotidianas do Ministério da Saúde. Esta fala atrapalha não só o ministro, mas todos nós", diz trecho. (Leia a carta, na íntegra, abaixo)

O presidente Bolsonaro declarou, na noite de hoje, que a rotina no país deve retornar à realidade e que a imprensa brasileira espalhou o pânico em torno do coronavírus, o qual voltou a chamar de "gripezinha".

Em pronunciamento em rádio e televisão, Bolsonaro também criticou governadores por determinarem quarentena - -com fechamento de comércio e fronteiras— e questionou o motivo pelo qual escolas foram fechadas. Durante os pouco mais de cinco minutos de fala do presidente, vários panelaços contra ele foram realizados em cidades brasileiras.

"O vírus chegou, está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar, empregos devem ser mantidos, o sustento das famílias deve ser preservado, devemos, sim, voltar a normalidade", disse.

Carta dos secretários de Saúde do Nordeste após pronunciamento do Presidente da República

"Assistimos estarrecidos ao pronunciamento em cadeia nacional do presidente Jair Bolsonaro, onde desfaz todo o esforço e nega todas as recomendações para combate à pandemia do coronavírus.

Não é nosso desejo politizar esse problema. Já temos dificuldades demais pra enfrentar. Não podemos cometer esse erro. Vamos continuar fazendo nosso trabalho. Não nos parece que a posição exposta pelo Presidente seja a do Ministério da Saúde, que tem se conduzido tecnicamente.

Percebemos, com espanto, os graves desencontros entre o pronunciamento do Presidente e as diretrizes cotidianas do Ministério da Saúde. Esta fala atrapalha não só o ministro, mas todos nós!

Sabemos que iremos enfrentar uma grave recessão econômica, mas o que nos cabe lidar diretamente é a grave crise sanitária.

Vamos seguir tocando nossas vidas com decisões baseadas em evidências científicas, seguindo exemplos bem-sucedidos ao redor do mundo.

A grande maioria dos países do mundo, ocidentais e orientais, já firmaram seu curso no combate ao vírus e é este curso que o Nordeste Brasileiro seguirá.

Que Deus abençoe cada um de nós que pouco temos dormido. Que Deus nos abençoe!"

Política