PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro compartilha e depois apaga vídeo com críticas a governadores

Jair Bolsonaro em pronunciamento na TV - Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro em pronunciamento na TV Imagem: Isac Nóbrega/PR

Do UOL, em São Paulo

01/04/2020 09h29

Cerca de 12 horas depois de baixar o tom de seu discurso e pedir um pacto nacional, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a atacar indiretamente os rivais. Sem citar nomes, ele compartilhou hoje no Twitter um vídeo com críticas aos prefeitos e governadores que defendem o isolamento social durante a pandemia de coronavírus. Depois, apagou o vídeo.

"Não é um desentendimento entre o presidente e alguns governadores e alguns prefeitos. São fatos e realidades que devem ser mostradas. Depois da destruição não interessa mostrar culpados", escreveu Bolsonaro ao compartilhar o vídeo que supostamente mostrava um desabastecimento no Ceasa de Belo Horizonte.

No vídeo, um homem mostrava um suposto desabastecimento no Ceasa de Belo Horizonte. "Não vamos esquecer não, tá. A culpa disso aqui é dos governadores porque o presidente da República está brigando incessantemente para ter uma paralisação responsável", dizia o homem.

Segundo a Rádio CBN, o vídeo foi gravado no sábado, quando a movimentação no Ceasa é pequena. Hoje a reportagem da rádio publicou no Twitter um vídeo que mostra que não há desabastecimento no local. Imagens aéreas da TV Globo também mostraram uma movimentação normal. Após a repercussão nas redes sociais, Bolsonaro apagou o post.

O pronunciamento de Bolsonaro

Ontem, em mais um pronunciamento à nação, Bolsonaro defendeu a necessidade de um pacto nacional pela preservação "da vida e dos empregos".

"O efeito colateral das medidas de combate ao coronavírus não pode ser pior que a própria doença. A minha obrigação como presidente vai para além dos próximos meses. Preparar o Brasil para sua retomada, reorganizar nossa economia e mobilizar todos nossos recursos e energia para tornar o Brasil ainda mais forte após a pandemia", declarou o presidente durante o pronunciamento.

Bolsonaro afirmou preocupação com a área econômica e disse que, apesar do temor diante das questões de saúde, com a quantidade de casos confirmados e número de mortos pela covid-19 aumentando, o país deve "evitar a destruição de empregos". Novamente ele mencionou uma frase do diretor-presidente da OMS fora de contexto para justificar o fim do isolamento social.

"Com esse mesmo espírito, agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos, num grande pacto pela preservação da vida e dos empregos. Parlamento, Judiciário, governadores, prefeitos e sociedade", disse.

Briga com governadores

O tom de ontem foi bem mais ameno que o do pronunciamento da semana passada, quando em rede nacional Bolsonaro chamou a covid-19 de "gripezinha" e acusou a imprensa de espalhar pânico. Na ocasião, Bolsonaro também criticou governadores por determinarem quarentena — com fechamento de comércio e fronteiras — e questionou o motivo pelo qual escolas foram fechadas.

No dia seguinte, Bolsonaro trocou farpas com alguns governadores, principalmente João Doria (PSDB), de São Paulo, e Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro.

Coronavírus