PUBLICIDADE
Topo

Olavo diz que Mandetta deveria ser preso e critica passividade dos generais

Escritor, conferencista, ensaísta, jornalista e filósofo brasileiro, Olavo de Carvalho - Joshua Roberts/Reuters
Escritor, conferencista, ensaísta, jornalista e filósofo brasileiro, Olavo de Carvalho Imagem: Joshua Roberts/Reuters

Do UOL, em São Paulo

07/04/2020 22h02

O escritor Olavo de Carvalho, considerado o guru da família Bolsonaro, afirmou hoje que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deveria ser "preso" e que ele está escondendo remédios para uma suposta cura do coronavírus.

"Uns escondiam a cloroquina e outros proibiam de usar. O Mandetta proibiu o negócio. Eles [governadores e Ministério da Saúde] querem fabricar mortos. Esse Mandetta, eu não daria meu cachorro para ele cuidar. É um sujeito pueril, boboca, metido. Não vou nem falar do [governador de São Paulo, João] Dória, [governador de Goiás, Ronaldo] Caiado... esses caras não merecem atenção", disse Olavo, em live para o canal conservador Terça Livre.

Para ele, o plano de Mandetta e dos governadores é de manter as pessoas em quarentena para destruir a economia nacional e, consequentemente, o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O escritor também falou sobre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). Chamando o deputado de 'Nhonho', em referência ao personagem do seriado "Chaves", Olavo disse que ele é a prova da debilidade da nossa cultura como brasileiro e criticou a passividade dos generais.

"Chegou ao ponto que qualquer bunda-mole como esse Nhonho manda. É uma coisa absurda. E esses generais estão vendo a criminalidade desses camaradas e não fazem nada, e ainda ficam exaltando esses caras em vez de defenderem a nação".

Olavo ainda criticou o coordenador do Centro de Contingência ao Coronavírus de São Paulo, David Uip, que alegou razões pessoais para não falar se tomou hidroxicloroquina como tratamento para a covid-19.

"Esses médicos foram curados e escondem o nome do remédio, para ninguém mais tomar. Você acha que isso é compatível com o juramento do médico? E esse ministro de merda também devia estar na cadeia também, está escondendo remédio. Ele podia salvar milhares de pessoas", completou o escritor.

Ontem, Mandetta afirmou que permanece no cargo após reunião que teve à tarde com o presidente Bolsonaro. O anúncio do "fico" foi feito em coletiva de imprensa, na qual afirmou novamente que "médico não abandona paciente" e que vai seguir trabalhando com "ciência, foco e planejamento".

Porém, o ministro admitiu que ficou apreensivo durante o dia — embora não tenha citado formalmente a ameaça de demissão — e disse que chegaram a limpar os armários de seu gabinete e dos colegas hoje.

Coronavírus