PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro ironiza imprensa que deixou o Alvorada: "Agora apenas inventarão"

Presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada - Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada Imagem: Adriano Machado

Do UOL, em São Paulo

26/05/2020 22h34

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usou sua conta no Twitter para ironizar os veículos de imprensa que suspenderam a cobertura no Palácio da Alvorada.

Citando Globo e Folha, o presidente citou que essas e empresas "semelhantes" decidiram não participar das entrevistas no palácio para "distorcer que falo", e que "a partir de agora apenas inventarão". Bolsonaro ainda usou a expressão "que pena", acompanhada de um símbolo de positivo.

Mais cedo, durante transmissão no Facebook, Bolsonaro disse que a decisão das empresas de comunicação por falta de segurança no Alvorada é "vitimismo".

"Estão se vitimizando. Quando levei a facada, não falaram nada. Não vi ninguém da Folha falando 'quem matou Bolsonaro?'. Se for pegar o número de horas que a Globo deu para Marielle [Franco, vereadora assassinada em março de 2018] e para o meu caso, acho que dá 100 para 1, mas tudo bem", disse o presidente a apoiadores. A interação foi transmitida nas redes sociais de Bolsonaro.

O UOL, o jornal Folha de S.Paulo, o Grupo Globo, o site Metrópoles e a Band decidiram retirar os jornalistas do chamado "curralzinho", espaço normalmente destinado à imprensa na frente do Alvorada pela falta de segurança no local. Jornalistas vêm sendo hostilizados frequentemente por apoiadores do presidente, que xingam e exigem a saída dos profissionais.

Em nota divulgada hoje, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) afirmou que "criou as melhores condições possíveis para o trabalho dos profissionais de imprensa" no Palácio da Alvorada.

"O GSI entende e respeita os princípios de liberdade de expressão garantidos pela legislação vigente. Assim sendo, criou as melhores condições possíveis para o trabalho dos profissionais de imprensa e, também, um espaço reservado aos apoiadores do presidente", diz um trecho do comunicado.

"Continuaremos aperfeiçoando esse dispositivo, para que o local permaneça em condições de atender às expectativas de trabalho e de livre manifestação dos públicos distintos que, diariamente, comparecem ao Palácio da Alvorada", acrescenta.

Política