PUBLICIDADE
Topo

Sebastião Salgado diz que Funai não tem 'direito' de leiloar suas fotos

Sebastião Salgado em cena do documentário "O Sal da Terra", de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado - Divulgação
Sebastião Salgado em cena do documentário "O Sal da Terra", de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

28/06/2020 09h46

Envolvido em uma campanha com diversos artistas internacionais para que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o Congresso e o Judiciário brasileiros evitem o extermínio das aldeias indígenas, o fotógrafo Sebastião Salgado tem protagonizado um embate com a Fundação Nacional do Índio (Funai).

O artista doou à entidade obras avaliadas em R$ 1,5 milhão, com fotografias do povo indígena korubo, em 2017. Em entrevista ao jornal O Globo, o fotógrafo conta que neste ano foi procurado pela Funai, em carta, porque o órgão quer que ele retire as obras e faça um leilão com elas. Após críticas de Salgado à condução das questões indígenas na gestão Bolsonaro, os quadros já haviam sido retirados de diversas salas da fundação.

"Houve um conflito. Eles quiseram me devolver as fotos, mas essas fotos não são da Funai e nem são minhas. Essas fotos pertencem ao meu país, pertencem ao Brasil. Eu não tenho o direito de pegar de volta, eu não tenho o direito de leiloar, e a Funai também não", disse Salgado.

"Se efetivamente a Funai não quiser guardar, eu tenho que procurar algum dos Poderes brasileiros, possivelmente a Procuradoria-Geral da República para ser o guardião dessas fotografias, até eu poder devolvê-las à Funai", completou.

As fotos em questão, com os Korubo, foram tiradas, inclusive, com a ajuda da Funai, segundo Salgado. Mas, para o artista, hoje ela é uma instituição "que não trabalha para a causa indígena".

"Mas eu acho que isso é temporário. A Funai não está totalmente destruída, a maioria dos quadros da Funai está lá, e na modificação do Executivo do Brasil, a Funai voltará a ser aquela grande instituição que sempre foi. Eu dou um tempo à Funai. A Funai é tão grande. A história da Funai é imensa. A Funai vai voltar a ser a casa dos indígenas", considerou.

Sebastião Salgado acusa o governo federal de retirar apoio material, financeiro e humano da Funai. Além disso, o artista também denuncia o boicote de ações destinadas a proteger comunidades indígenas de invasões.

As obras produzidas em 2017 são avaliadas por Salgado em R$ 1,5 milhão.

Política