PUBLICIDADE
Topo

Aras defende que Bolsonaro seja questionado como prefere prestar depoimento

Presidente da República, Jair Bolsonaro recebe os cumprimentos do Procurador-Geral da República, Augusto Aras. -  Isac Nóbrega/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro recebe os cumprimentos do Procurador-Geral da República, Augusto Aras. Imagem: Isac Nóbrega/PR

Do UOL, em São Paulo

02/07/2020 18h54

O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu hoje que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seja questionado sobre como prefere prestar depoimento no inquérito que investiga suposta interferência na Polícia Federal, em documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O inquérito foi aberto em abril, após as acusações feitas por Sergio Moro ao pedir demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública. Desde então, foram tomados depoimentos, inclusive do ex-ministro.

A Polícia Federal já pediu para ouvir Jair Bolsonaro no inquérito, mas o ministro Celso de Mello, por sua vez, pediu a manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) antes de decidir sobre o pedido da PF.

Na prática, Aras recomendou que Bolsonaro seja consultado e responda como prefere:

  • exercer o direito de ficar em silêncio;
  • que o depoimento ocorra por escrito;
  • ter a oportunidade de escolher hora e local para a oitiva.
A decisão final, no entanto, fica a cargo do ministro Celso de Mello.

Ao UOL, o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, disse que a expectativa é que o chefe do Executivo não precise se deslocar para falar com as autoridades.

"Esperamos que seja por escrito, conforme precedentes do STF quanto a Presidentes da República", disse Mendonça à coluna de Carla Araújo. Em 2017, o ministro Luís Roberto Barroso autorizou que o então presidente Michel Temer prestasse depoimento à PF por escrito, no âmbito do inquérito aberto pela Corte para investigar o suposto favorecimento da empresa Rodrimar S/A por meio da edição do chamado Decreto dos Portos.

O Código de Processo Penal prevê que, como testemunhas, algumas autoridades, incluindo o presidente, possam prestar depoimento por escrito e marcar data, hora e local. No entanto, não há uma legislação específica sobre o depoimento de autoridades investigadas.

Política