PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
9 meses

Maia se diz sem 'carisma' para ser presidente e cita Mandetta e Huck em 22

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), em entrevista ao Roda Viva - Reprodução/TV Cultura
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), em entrevista ao Roda Viva Imagem: Reprodução/TV Cultura

Do UOL, em São Paulo

03/08/2020 23h09

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse hoje em entrevista ao Roda Viva que espera ver o seu partido ou algum aliado no segundo turno das eleições presidenciais de 2022.

Entre as possíveis opções, ele citou o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), o apresentador Luciano Huck e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

"Eu espero no segundo turno na próxima eleição ter um candidato do DEM ou ligado do DEM, pode ser o Mandetta, o Huck, o Doria", apontou Maia, revelando que não se vê como chefe do Executivo por faltar "carisma" a ele.

"Toda pessoa que está na política tem sonhos, e a presidência da República é o maior deles, mas o meu perfil é para outro modelo de governo, não o presidencialista. Porque eu não sorrio muito, não sou carismático. Eu sou bom na articulação política, então meu perfil seria melhor para o sistema parlamentarista", disse.

Maia contou que seu candidato nas eleições de 2018 foi Ciro Gomes (PDT), por achar que teria mais chance do que ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) em um possível segundo turno contra o então candidato Jair Bolsonaro.

Por outro lado, ele disse que os partidos ligados a uma posição política mais central precisarão se unir para ter alguma chance de entrar no governo federal — e isso vale para o Ciro também.

"Acho que todos têm que entender, inclusive o Ciro, que ou o centro vai estar unido para construir um projeto alternativo às posições mais radicais, ou veremos um segundo turno entre PT e Bolsonaro", analisou.

"Isso depois da eleição municipal vai afunilar. Vai se chegar a um caminho que, espero, todos entendam que não dá para ter dois ou três candidatos. Aqui teremos de ter um candidato."

Política