PUBLICIDADE
Topo

Política

Doria anuncia processo contra Kajuru: 'É uma pessoa destemperada'

Governador João Doria (PSDB) disse que Kajuru "é uma pessoa destemperada" - ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Governador João Doria (PSDB) disse que Kajuru 'é uma pessoa destemperada' Imagem: ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

14/08/2020 11h31

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse hoje que entrou com três ações judiciais contra o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO). O parlamentar acusou o político tucano de participar de uma conversa com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes para pedir a soltura do secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo Alexandre Baldy.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, Doria afirmou que Kajuru tem feito um mau exercício do mandato e que terá que provar as acusações na Justiça.

"Ele é uma pessoa destemperada, desqualificada para fazer esse tipo de acusação. Ele usa, inclusive, do mandato que recebeu para fazer ataques não só a mim, mas a quem classifica como desafeto. É um mau exercício do mandato, deveria estar lutando pelo povo de Goiás, pelas boas causas. E o que ele faz na tribuna do Senado é atacar seus desafetos protegido pela imunidade", disse o governador.

"Comigo, ele vai sofrer as consequências. Entrei com três ações judiciais contra ele. Comigo, se não provar o que está falando, vai pagar na Justiça."

Em entrevista ao programa "Pingo nos Is", da Jovem Pan, Kajuru disse que a soltura de Baldy foi decidida por Gilmar Mendes após interferência do governador de São Paulo e de Marconi Perillo (PSDB-GO).

"[Perillo] foi o primeiro, logo após a prisão de Alexandre Baldy pela Polícia Federal em São Paulo, a ligar para o Gilmar Mendes e começar a convencê-lo para a liminar que o soltaria Baldy 2h45 da madrugada. Foi por favor, foi por 'toma lá da cá'. E o governador de São Paulo participou também da conversa, o Marconi pediu que ministro Gilmar Mendes também ouvisse o pedido de Doria", afirmou Kajuru na ocasião.

Doria voltou a dizer que nenhuma acusação contra Baldy tem relação com a atual gestão do governo paulista.

"Em relação ao Baldy, nada vinculado ao governo de São Paulo. Não temos nenhum juízo a fazer sobre o Alexandre Baldy por algo que supostamente tenha feito há 10 anos. A conduta dele na secretaria foi dentro da expectativa de um bom governo e um bom secretário", comentou Doria.

O ex-ministro e secretário licenciado de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, deixou a sede da Polícia Federal em São Paulo em 8 de agosto, onde estava preso desde o dia 6 depois que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, determinou sua soltura.

Baldy, que foi ministro das Cidades no governo Temer, teve a prisão temporária decretada no âmbito de uma operação que investiga suposto pagamento de vantagens indevidas na negociação de contratos na saúde. As acusações se referem ao período em que ele foi secretário estadual em Goiás.

Política