PUBLICIDADE
Topo

Política

Recomendo parar de me atacar, diz Doria após críticas de Bolsonaro

"O Brasil não quer um presidente que só pensa em reeleição", disse João Doria após Jair Bolsonaro o chamar de "lunático" - Deyvid Edson/Futura Press/Estadão Conteúdo
"O Brasil não quer um presidente que só pensa em reeleição", disse João Doria após Jair Bolsonaro o chamar de "lunático" Imagem: Deyvid Edson/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

29/10/2020 12h59

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pediu que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que disparou críticas contra ele ontem, pare de atacá-lo e disse que o Brasil quer "mais compaixão".

"Recomendo ao presidente Bolsonaro parar de me atacar e começar a trabalhar. O povo não quer briga, quer emprego. O Brasil não quer divisão, quer compaixão", disse o tucano em nota. "O Brasil não quer um presidente que só pensa em reeleição", continuou.

Ontem à noite, Bolsonaro disse que o estado de São Paulo "só não quebrou" por conta da ajuda dada pelo governo federal durante a pandemia do novo coronavírus.

"Imagina se tivesse o Doria como presidente. Esse da vacina obrigatória, que fechou tudo em São Paulo e só não quebrou São Paulo dado ao auxílio do governo federal", disse o presidente para apoiadores.

"Aumentou tudo, tudo que possa imaginar, e ainda fala em obrigar tomar a vacina. Que lunático!", continuou.

Na última terça-feira (27), Bolsonaro também atacou Doria, dizendo que o tucano aumentou impostos em São Paulo.

"São Paulo aumentou barbaramente produto da cesta básica. Lamentavelmente. São Paulo está cobrando imposto até do cara que é deficiente e compra carro", afirmou.

Na época, Doria também rebateu Bolsonaro, chamando-o de "desinformado". "São Paulo não fez e não fará nenhum aumento de imposto. Fizemos sim a reforma administrativa que ele, Bolsonaro, deixou de fazer no plano federal", pontuou.

A reforma a qual Doria se refere é a fiscal, que teve seu texto-base aprovado pela Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) e permite que o governo estadual extinga estatais e fundações, reduza benefícios fiscais e promova um plano de demissão voluntária de servidores.

Política