PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Frota se lança à Presidência da Câmara com apelo a impeachment de Bolsonaro

Alexandre Frota já entrou com três pedidos de impeachment de Bolsonaro - ANTONIO CRUZ/ AGÊNCIA BRASIL
Alexandre Frota já entrou com três pedidos de impeachment de Bolsonaro Imagem: ANTONIO CRUZ/ AGÊNCIA BRASIL

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

14/01/2021 17h21

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) anunciou hoje ser candidato à Presidência da Câmara afirmando que, se eleito, antes mesmo de se sentar na cadeira de comandante da Casa, acatará um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"O que eu posso prometer é uma Câmara totalmente independente, uma Câmara livre. Eu vou abrir diálogo com todos os segmentos da Câmara, com todos os partidos, inclusive. Eu não tenho cargos para oferecer, ao contrário dos outros grandes candidatos que existem. Não tenho emendas de R$ 15 milhões, mas eu tenho um trunfo na mão: eu sou o único candidato à Presidência da Câmara dos Deputados com coragem suficiente para colocar no primeiro minuto de mandato o processo de impeachment do Jair Bolsonaro", afirmou, em vídeo divulgado por sua assessoria.

"Eu prometo que, antes mesmo de sentar na cadeira, esse processo já estará em andamento. Coisa que eu sei que os outros candidatos não farão. Não têm coragem para fazer, não têm coragem suficiente", completou.

Os principais candidatos ao comando da Câmara são Arthur Lira (PP-AL), apoiado por Bolsonaro, e Baleia Rossi (MDB-SP), apoiado pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Outros candidatos são Capitão Augusto (PL-SP), Fábio Ramalho (MDB-MG), André Janones (Avante-MG) e Marcel van Hattem (Novo-RS).

Segundo Frota, o pedido a ser eventualmente acatado será um apresentado pelo PSOL por ser bem embasado, ao seu ver. Ele mesmo é autor de pedidos de impeachment contra Bolsonaro. O primeiro foi entregue em agosto de 2019, disse. Para o deputado, Rodrigo Maia ficou "sentado em cima" deles.

Ao dar andamento ao processo, se eleito pelos pares, Frota afirmou que indicará a presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), como presidente da comissão para a análise do caso.

Outras prioridades serão pautar propostas para o fim do foro privilegiado e a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, além de tocar as reformas tributária e administrativa.

"Com certeza, minha gaveta vai ficar vazia", falou, ao acrescentar que sua campanha é "modesta, mas verdadeira, sem conchavos, armações, emendas, secretarias, ministérios e, principalmente, sem R$ 15 milhões".

Ele disse à reportagem não pretender viajar para conversar e articular com os deputados em busca de apoio. Quanto a votos, afirmou não ter ideia, mas estar contando com o próprio voto e os de mais cinco colegas.

Van Hattem e Janones também anunciam candidatura

Os deputados federais Marcel van Hattem e André Janones também anunciaram as candidaturas à Presidência da Câmara hoje.

Van Hattem quer se posicionar como uma "terceira via", uma alternativa a Lira e Baleia. "As outras candidaturas que estão postas são um pouco de mais do mesmo. Principalmente as mais mencionadas, as dos deputados Baleia Rossi e Arthur Lira", ao ressaltar que ambos são de partidos de centro que compõem a base do governo na prática.

André Janones afirmou que, se eleito, dará prioridade a pautar o retorno do auxílio emergencial. "Se eleito for presidente da Câmara dos Deputados, no mesmo dia, horas após ser eleito, já estará pautada na primeira sessão do ano as matérias que visam a prorrogação do auxílio emergencial", disse.

Política