PUBLICIDADE
Topo

Política

Petista é atacado nas redes por postagens antes de decisão sobre Lula

Senador Humberto Costa (PT-PE), atacado nas redes por postagens sobre Lula - Kleyton Amorim/UOL
Senador Humberto Costa (PT-PE), atacado nas redes por postagens sobre Lula Imagem: Kleyton Amorim/UOL

Do UOL, em São Paulo

08/03/2021 23h45

O senador Humberto Costa (PT-PE) tem recebido ataques em seu perfil do Twitter devido a um vídeo que postou do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nos comentários, opositores acusam o político de saber antecipadamente da decisão de hoje do ministro Edson Fachin de anular as condenações de Lula. Com isso, o petista retomou seus direitos políticos e pode concorrer às eleições de 2022.

Na postagem feita ontem à noite, Costa escreveu: "Podem se preparar", com uma imagem do ex-presidente fazendo exercícios.

"O Humberto Costa já sabia da decisão favorável do STF", escreveu um usuário da rede social. "Me explica esse post 20 horas antes da decisão do STF?", exigiu outro.

Ao UOL, o senador disse que a postagem foi feita "pensando no julgamento do HC [habeas corpus] sobre a declaração da suspeição do [ex-juiz e ex-miistro Sergio] Moro". Ele não quis comentar os ataques.

A defesa de Lula pediu em novembro de 2018 o julgamento de parcialidade do então juiz Sergio Moro, dias após ele aceitar o convite para ser ministro do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

A defesa do petista alega que uma das provas da parcialidade de Moro foi a entrada do ex-juiz na política. Moro nega que tenha havido suspeição ou troca de favores.

O recurso começou a ser julgado em dezembro daquele ano, mas foi interrompido após um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes. Ele pretendia devolver o caso à 2ª Turma ainda neste semestre.

Porém, com a decisão de hoje de Fachin, não está certo se o STF manterá o julgamento. Mas membros do Supremo querem manter a discussão, segundo apuraram as colunistas Juliana Dal Piva, do UOL, e Mônica Bergamo, da Folha.

A decisão

Fachin anulou todas as condenações de Lula pela Justiça Federal do Paraná no âmbito da Operação Lava Jato.

Ao conceder o habeas corpus a Lula, Fachin declarou que a 13ª Vara Federal de Curitiba, origem da Lava Jato, não tem competência para julgar os processos do tríplex de Guarujá (SP), do sítio de Atibaia (SP) e os dois relacionados ao Instituto Lula, uma vez que os casos não se limitam apenas aos desvios ocorridos na Petrobras, mas também a outros órgãos da administração pública.

Política