PUBLICIDADE
Topo

Política

De última hora, ICMBio cancela mega apreensão de gado na Amazônia

Rafael Neves

Do UOL, em Brasília

12/05/2021 16h01Atualizada em 12/05/2021 20h40

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) desmontou na semana passada, de última hora, uma grande operação contra a criação ilegal de gado na reserva biológica Nascentes da Serra do Cachimbo, no oeste do Pará. A operação estava marcada para a última quinta-feira (6), mas foi alvo de uma "mudança no foco", segundo um e-mail interno do órgão obtido pelo UOL.

Planejada por técnicos do instituto por mais de um ano, a operação buscava apreender mais de mil cabeças de gado criadas ilegalmente em duas fazendas na área, que é protegida. Os proprietários, segundo o ICMBio, somam R$ 59 milhões em multas ambientais.

A decisão da diretoria foi descrita em um documento assinado por dez servidores. De acordo com o relato, a operação pretendia apreender e retirar o gado do local. Dois dias antes, porém, o diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do ICMBio, Marcos Simanovic, teria dado a ordem para "mudar o enfoque" do trabalho: ao invés de autuar os proprietários do gado ilegal, os fiscais deveriam apenas fazer uma verificação corriqueira de alertas de desmatamento.

Simanovic é um dos ex-policiais militares de São Paulo colocados na cúpula do ICMBio pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A ordem do diretor, segundo o documento, foi dada "sem maiores explicações".

Ainda na última quinta, o coordenador de fiscalização do instituto, Eric Motoyama, enviou um e-mail aos membros da equipe que faria a operação nas fazendas e perguntou se ainda queriam participar do trabalho, "tendo em vista a mudança no foco". Os servidores se recusaram a continuar.

"Depois dessa mudança brusca, não fazia mais sentido ir para lá. Seria só um gasto de recursos à toa, sem nenhum resultado", afirmou um membro da equipe, que preferiu não se identificar.

No início da tarde desta quarta (12), o UOL pediu esclarecimentos ao ICMBio e ao Ministério do Meio Ambiente. Não houve resposta até 20h30. Assim que houver, a reportagem será atualizada.

Salles na Amazônia

O cancelamento da operação ocorreu dias antes de o próprio ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegar à região para acompanhar pessoalmente as ações de fiscalização, acompanhado dos presidente do ICMBio, Fernando Lorencini, e do Ibama, Eduardo Bim. Salles chegou ao Pará ontem e deve permanecer na região até o próximo sábado (15).

O ministério publicou, no Diário Oficial da União, as localidades no Pará que serão alvos das operações, conduzidas pelos órgãos ambientais em parceria com a Força Nacional.

Política