PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

Irmãos Weintraub dizem ter sido infectados por 'cepa agressiva' da covid-19

Abraham e Arthur Weintraub contaram nas redes sociais que contraíram covid-19: "Cepa bem agressiva" - Reprodução/Youtube
Abraham e Arthur Weintraub contaram nas redes sociais que contraíram covid-19: 'Cepa bem agressiva' Imagem: Reprodução/Youtube

Do UOL, em São Paulo

05/06/2021 09h45

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub e seu irmão, o ex-assessor da Presidência da República Arthur Weintraub, disseram ontem em suas redes sociais que contraíram covid-19 e se recuperam da doença nos Estados Unidos, onde vivem.

"A gente pegou covid, uma cepa bem agressiva, não foi a normal, aparentemente foi essa nova e inclusive o Arthur, eu, as nossas esposas, inclusive as crianças pegaram", disse o ex-ministro em vídeo gravado ao lado de Arthur. Segundo ele, os dois tiveram sintomas mais graves, com comprometimento dos pulmões.

Abraham não especificou a variante do coronavírus a que se referia. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), as principais variantes de preocupação são:

  • B.1.1.7 ou Alpha, identificada no Reino Unido;
  • B.1.351 ou Beta, surgida na África do Sul;
  • B.1.1.28.1, P.1 ou Gamma, identificada em dezembro no Japão, com origem no Amazonas; e
  • B.1.617 ou Delta, surgida na Índia.

Arthur contou que eles pretendiam se vacinar, mas não puderam por causa dos sintomas da doença, que apareceram no início de maio. Em abril, os Estados Unidos anunciaram que todos os adultos já poderiam ser imunizados. Abraham ocupa o cargo de diretor-executivo do Banco Mundial e Arthur é secretário de Segurança Multidimensional da OEA (Organização dos Estados Americanos).

No vídeo, eles agradeceram aos médicos pelo tratamento, sem dar detalhes. "A gente seguiu todo o receituário, tudo o que a gente havia falado, e pela gravidade da cepa —aparentemente a gente foi atingido em cheio por uma cepa muito agressiva— esse tratamento que a gente fez foi fundamental para que nosso quadro não se agravasse", diz Abraham.

"A gente está se recuperando ainda, não está 100%, mas a gente agradece todo mundo que ajudou", acrescentou Arthur.

'Gabinete paralelo'

Vídeos revelados ontem pelo portal de notícias Metrópoles mostram o chamado "gabinete paralelo" orientando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a ter cautela com vacinas sobre a covid-19. Nas imagens, aparecem a médica Nise Yamaguchi, o ex-ministro Osmar Terra e o virologista Paulo Zanoto, entre outros participantes.

Zanoto diz que enviou uma carta a Arthur Weintraub sugerindo a criação de um "shadow board" (gabinete das sombras, em tradução livre).

Weintraub atuava dentro do Palácio do Planalto no núcleo que ficou conhecido como "ala ideológica" do governo. Em agosto de 2020, período em que o governo brasileiro acelerava a campanha em defesa do que passou a chamar de "tratamento precoce" (estímulo à cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença), Weintraub foi designado "especialmente" por Bolsonaro para "acompanhar questões relativas ao tratamento precoce da covid-19".

Na prática, ele recebeu a missão de intermediar o diálogo entre o governo e um grupo de médicos defensores da cloroquina, autodenominado "Médicos pela Vida". Com a articulação de Weintraub, o Médicos pela Vida foi recebido por Bolsonaro em agenda oficial no Palácio do Planalto, que foi batizada pelo governo de "Vencendo a covid-19".

No fim de maio, o colegiado da CPI da Covid aprovou a convocação para que ele preste depoimento no Senado. De acordo com o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), a CPI pretende cobrar de Weintraub esclarecimentos sobre a sua atuação "na estrutura extraoficial de assessoramento no combate à pandemia".

Política