PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Mayra Pinheiro enfatizou tratamento precoce no AM, diz ex-secretário

Thaís Augusto, Hanrrikson de Andrade e Luciana Amaral

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

15/06/2021 10h46Atualizada em 15/06/2021 14h36

O ex-secretário de Saúde do Amazonas Marcellus Campêlo afirmou hoje, em depoimento à CPI da Covid, que discutiu com a servidora Mayra Pinheiro, a "capitã cloroquina", o chamado "tratamento precoce" —termo que o governo federal utiliza para se referir ao estímulo a medicamentos sem eficácia no tratamento dos sintomas do coronavírus.

O incentivo do governo Jair Bolsonaro (sem partido) a remédios como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina é um dos pontos de interesse da CPI, no Senado Federal. Os parlamentares apuram se houve erro do Executivo federal, por ação ou omissão, na condução de políticas públicas de enfrentamento à pandemia.

Segundo Campêlo, o primeiro encontro com Mayra, que exerce a função de secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, ocorreu em 4 de janeiro.

À época, Manaus já vivia um cenário de agravamento da pandemia, com escalada da demanda por respiradores e escassez na oferta de oxigênio. Dias depois, a rede de saúde da capital amazonense entraria em colapso.

"Em 4 de janeiro, recebemos a secretária Mayra Pinheiro. Estivemos juntos com o governador e com a presença da imprensa. Vimos uma ênfase da doutora Mayra Pinheiro em relação ao tratamento precoce e relatando um novo sistema que poderia ser utilizado e que seria apresentado oportunamente, o TrateCov", disse ele à CPI da Covid.

No começo do ano, o estado do Amazonas foi acometido por uma intensa aceleração dos efeitos da pandemia, falta de acesso a oxigênio medicinal e desabastecimento de insumos hospitalares. Reportagem do UOL mostrou hoje que o Ministério da Saúde sabia da escassez de respiradores no Amazonas desde 18 de dezembro, um mês antes da crise se instalar no estado. A primeira equipe da pasta, entretanto, foi ao estado apenas em 4 de janeiro.

Segundo documento enviado pelo Ministério da Saúde aos senadores da CPI, a equipe foi enviada para fazer um "diagnóstico situacional de saúde e apoio emergencial".

O material detalha, em ordem cronológica, as ações da pasta realizadas in loco a partir de 4 de janeiro. O expediente operacional só teve início, de fato, em 8 de janeiro, após quatro dias de "diagnóstico".

Na parte do relatório referente a 10 de janeiro consta que a "prioridade zero nos serviços no dia de hoje" era "o suprimento de oxigênio e balas de O2 para os hospitais, SPA, UPAS do estado do Amazonas", entre outras atividades.

Em depoimento à CPI, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmou ter tomado conhecimento do desabastecimento de oxigênio hospitalar somente em 10 de janeiro. Já Mayra Pinheiro, servidora do ministério conhecida como "capitã cloroquina", disse à comissão que Pazuello foi informado do problema dois dias antes, em 8 de janeiro.

Pazuello foi procurado antes da crise, diz Campêlo

O ex-secretário de Saúde do Amazonas disse ter procurado Pazuello do colapso provocado pelo agravamento da covid-19 em Manaus. Na versão dele, logo no primeiro contato, o estado solicitou apoio logístico para levar cilindros de oxigênio de Belém (PA) à capital amazonense.

"Fiz uma ligação ao ministro Pazuello no dia 7 de janeiro por telefone explicando a necessidade de apoio logístico para trazer oxigênio de Belém a Manaus, a pedido da White Martins [fornecedora dos cilindros]. A partir daí, fizemos contato com o Comando Militar da Amazônia, por orientação do ministro, para fazer esse trabalho logístico", disse Campêlo à CPI.

"Não houve resposta, que eu saiba", emendou ele.

Outros ofícios foram encaminhados ao ministério e a Pazuello nos dias 9, 11, 12 e 13 de janeiro com pedidos de apoio logístico. Dias depois, o estado sofreria com a falta de leitos para pacientes com covid-19 e o desabastecimento de insumos básicos. Pessoas morreram nos hospitais sem acesso a oxigênio.

Contato com a White Martins

Campêlo também afirmou à CPI ter recebido telefonema da empresa White Martins, fornecedora de cilindros de oxigênio, em 7 de janeiro, a fim de checar quantos leitos de UTIs e leitos clínicos seriam providenciados a partir da execução do plano de contingência estadual. Na ocasião, a empresa já demonstrava preocupação com o aumento exponencial do consumo, de acordo com o depoimento.

"Então, nós relatamos que, aproximadamente, teríamos capacidade de implantar mais 150 leitos de UTI e, aproximadamente, 250 leitos clínicos na capital de Manaus. Esse era o plano", comentou.

"Ele [representante da White Martins] anotou, pediu para que nós não ativássemos mais nenhum leito de UTI até o sinal da empresa fornecedora de que poderia ter segurança para a ampliação do fornecimento de oxigênio. E assim fizemos: demos a ordem de não ativação, de continuarmos com a ampliação dos leitos, mas ativar os leitos somente no momento em que tivéssemos a anuência da empresa com segurança."

Diante das declarações, o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), questionou então se o estado havia tomado uma decisão baseada em posicionamento de uma empresa privada, em detrimento das necessidades da rede pública de saúde naquele momento.

O ex-secretário respondeu que, apesar da preocupação manifestada, o governo local continuou a abrir leitos porque a fornecedora providenciaria, em alguns dias, um lote de 52 mil metros cúbicos de oxigênio. Além disso, havia previsão de novas entregas para os dias seguintes.

"Ela [White Martins] afirmou para mim e para a nossa equipe que, a partir do sábado, dia 9 [dois dias depois do telefonema], chegaria a primeira balsa de abastecimento com 52 mil metros cúbicos de oxigênio vinda de Belém e, a partir daquela data, a cada dois dias, chegariam novas balsas, novos carregamentos de oxigênio para dar segurança ao fornecimento da rede."

Sem criticar a empresa, Campêlo observou que a programação tinha o objetivo de atender toda a estrutura de saúde dependente do fornecimento, tanto na rede pública quanto na privada. Ele não destacou se houve, portanto, uma incompatibilidade entre a demanda do estado e as entregas que haviam até então sido provisionadas pela White Martins.

"Nós, evidentemente, tínhamos acesso aos relatórios mensais de fornecimento e consumo, devido aos pagamentos que fazíamos, em relação à rede estadual; o restante era controlado pela White Martins. Então, quando ela falava que viria uma programação, era uma programação para atender a toda a rede de saúde privada e pública."

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.