PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

Após atacar o STF, Bolsonaro se reúne com Fux, Lira e Pacheco

Bolsonaro discutirá com representantes dos Três Poderes diretrizes para garantir democracia - Ueslei Marcelino/Reuters
Bolsonaro discutirá com representantes dos Três Poderes diretrizes para garantir democracia Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Do UOL*, em São Paulo

13/07/2021 20h15Atualizada em 13/07/2021 22h58

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vai se reunir com os presidentes do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) na manhã desta quarta-feira (14).

O encontro, combinado na conversa entre Bolsonaro e Fux ontem, é para estabelecer diretrizes para garantir os princípios e a estabilidade da democracia.

A ideia da conversa é estabelecer uma espécie de compromisso para que os limites da Constituição não sejam cruzados por Executivo, Legislativo e Judiciário e para que não haja interferência nas áreas uns dos outros. Mas, na prática, a conversa deve funcionar como uma tentativa de por freio nos ataques feitos por Bolsonaro.

O ministro Fux chegou a dizer isso para Bolsonaro, reclamando das ofensas feitas ao presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, que também integra o STF, e das ameaças contra o processo eleitoral. Acuado politicamente, Bolsonaro aceitou o encontro.

"Convidei o presidente da República para uma conversa diante dos últimos acontecimentos, onde nós debatemos o quão é importante para a democracia brasileira o respeito às instituições, os limites impostos pela Constituição Federal", disse ontem o presidente do STF a repórteres.

"O presidente entendeu... e ao final nós combinamos uma reunião entre os três Poderes para nós fixarmos balizas sólidas para a democracia brasileira tendo em vista a estabilidade do nosso regime político", acrescentou.

O clima entre Bolsonaro e o Judiciário chegou a níveis críticos na última semana, após reiteradas declarações do presidente sobre a possibilidade de não haver eleições, caso a proposta que institui o voto impresso não seja aprovada.

*Com Reuters e Estadão Conteúdo.

Política