PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
2 meses

Doria evoca vacina e preço do gás ao som de 'fora Bolsonaro'

Juliana Arreguy

Do UOL, em São Paulo

12/09/2021 17h20

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou no meio da tarde deste domingo (12) ao ato contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) que acontece na Avenida Paulista. Sob gritos de "presidente", "vacina" e "fora Bolsonaro", Doria fez um discurso em que falou sobre defesa da democracia, imunização coletiva e resistência à ditadura militar.

"Foi São Paulo que foi buscar vacina, ao invés de comprar cloroquina, São Paulo que comprou vacina para salvar o Brasil", disse. "Vacina no braço e comida no prato", continuou.

Antes de discursar, em entrevista ao UOL, o governador minimizou o palco dividido com outras pretensas candidaturas à Presidência no próximo ano. Estavam presentes no ato organizado pelo MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo Vem Pra Rua os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Luiz Henrique Mandetta (DEM) e os senadores Alessandro Vieira (Cidadania) e Simone Tebet (DEM), todos prováveis candidatos nas eleições do ano que vem. Questionado sobre o evento servir de palanque antecipado, Doria discordou.

"Não vejo assim. Vejo a presença de todos no espírito democrático de defender a democracia", disse, acrescentando que deve se lançar como presidenciável do PSDB nas prévias, ainda este ano.

Doria acrescentou que o movimento desta tarde serve para pressionar o Congresso Nacional a pautar o impeachment de Bolsonaro.

"A força (para o impeachment) vem das ruas. Razões já existem. Crime de responsabilidade, mais de 130 pedidos de impeachment. É só o clamor das ruas", disse o governador.

No palco, Doria afirmou que viveu a ditadura militar e o exílio e regeu militantes que gritavam "democracia". Também discursou contra o preço do gás e repetiu diversas vezes "vamos mudar outra vez".

Confusão na chegada

Mais cedo, a chegada de Doria à manifestação foi marcada por uma confusão. Seguranças do MBL barraram a entrada do secretário de Justiça de São Paulo, Fernando José da Costa, ao trio elétrico levado ao ato. Costa teve a camisa rasgada.

Depois, dentro do trio, houve tumulto, mas assessores buscaram apaziguar a situação. Costa não quis comentar o episódio, e Doria minimizou o ocorrido afirmando ter sido um "mal-entendido".

Política