PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
7 meses

Câmara Municipal de Cuiabá aprova Dia do Orgulho Hétero em 1ª votação

Vereador bolsonarista aprova projeto de orgulho heterossexual  - Reprodução
Vereador bolsonarista aprova projeto de orgulho heterossexual Imagem: Reprodução

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

23/12/2021 10h00

A Câmara Municipal de Cuiabá (MT) aprovou na terça-feira (21) em primeira votação um projeto de Lei que cria o Dia do Orgulho Hétero na cidade. De autoria do vereador bolsonarista Tenente Coronel Paccola (Cidadania), o projeto só recebeu um voto contrário.

De acordo com o PL, a data deve ser celebrada todos os anos no terceiro domingo do mês de dezembro.

Na primeira votação, o texto recebeu 15 votos sim, 8 ausências e 1 voto não, a da vereadora Edna Sampaio (PT). A segunda votação estava prevista para ontem (22) em uma sessão extraordinária, mas o texto foi retirado de votação pelo vereador Adevair Cabral (PTB), que pediu vista (tempo maior para analisar a proposta).

"Agora só será votado em definitivo no ano que vem", afirmou ao UOL a assessoria da Câmara.

Homossexualidade é "marxismo cultural"

Em suas redes sociais, Paccola justificou o projeto ao afirmar que decidiu apresentá-lo depois de conversar com o filho e sobrinhos, quando teria sido "revelado que na escola para participar de determinados grupos [os estudantes] tinham de beijar meninos e meninas".

"O objetivo principal por trás deste projeto é que não destruam o modelo tradicional de família, os valores conservadores cristãos e o sentimento de civismo patriótico que são as marcas mais fortes de nós conservadores", afirma.

De acordo com o parlamentar, após um período de perseguição e condenação, os homossexuais passaram a ser tolerados, aceitos e a terem seus direitos civis reconhecidos.

"Contudo estamos assistindo a um movimento muito forte desse ativismo forçado que tenta trazer uma clara obrigatoriedade para que nossos jovens e crianças tenham um incentivo a um comportamento bissexual", disse ele, que atribui a homossexualidade ao "marxismo cultural".

"Assistimos a uma desestruturação que parte do marxismo cultural, Gramsci, que tenta destruir o modelo tradicional de família, aquele escrito na Bíblia", diz ele em referência aos filósofos Karl Marx e Antonio Francesco Gramsci.

"Não tenho nada contra, muito pelo contrário, tenho amigos no primeiro contato direto que são homossexuais, não tenho nada contra", afirmou o vereador, que completou. "A ciência se constitui uma família com cromossomo XX e XY."

"Dia do orgulho hétero pra que?"

Única vereadora a votar contra a proposta, a petista Edna Sampaio também afirmou em rede sociail que "não há do que se orgulhar, já que o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo".

"Existe uma supremacia hétero, como se fosse crime ser LGBTQIA+. Qual é o orgulho num mundo onde uma pessoa que não é hétero é morta por não ter uma orientação hétero?", questiona.

Quem sofre violência por orientação sexual? Quem é expulso de casa por sua orientação? Que pode ser abordado com violência na rua? Não é o heterossexual."
Edna Sampaio, vereadora

"Foi aprovado um dia do orgulho daqueles que deveriam ter responsabilidade por quem é vitimado por ser LGBTQIA+. Não é só feio, é vergonhoso", diz.

Política