PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
5 meses

Bolsonaro reclama por conversas com Barra Torres terem parado na imprensa

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Anvisa, Barra Torres  - Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Anvisa, Barra Torres Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

12/01/2022 17h27

O presidente Jair Bolsonaro (PL) reclamou hoje por conversas particulares com o presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, terem parado na imprensa. A declaração foi feita pelo presidente durante evento de lançamento de Linhas de Crédito para Aquicultura e Pesca, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Aqui não é um quartel, mas devemos zelar pela disciplina e hierarquia aqui dentro. Senão, não funciona. Não briguei com o presidente da Anvisa. Questionei sobre um assunto que tinha que ser questionado. Só ele e eu, mais ninguém. De repente está na imprensa essa questão. Presidente Jair Bolsonaro

Na última quinta (6), à TV Nova, Bolsonaro havia sugerido que a Anvisa e "pessoas taradas por vacina" poderiam ter interesses ocultos por trás do aval à vacinação de crianças contra a covid-19, que já acontece em países como Chile e Estados Unidos. O presidente, porém, não apresentou provas de suas alegações. Mais tarde, Bolsonaro ainda chamou a agência de "dona da verdade".

Dois dias depois, Barra Torres rejeitou a acusação e cobrou uma retratação por parte de Bolsonaro.

"Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, senhor presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa", disse o presidente da Anvisa. "Agora, se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate."

"Rever uma fala ou um ato errado não diminuirá o senhor em nada. Muito pelo contrário", finalizou.

Bolsonaro reagiu à carta definindo o seu conteúdo como "agressiva" e dizendo ter se surpreendido com seu posicionamento.

"Carta agressiva, não tinha motivo para aquilo. Eu falei 'o que está por trás do que a Anvisa vem fazendo' [quanto à vacinação de crianças contra a covid-19], ninguém acusou ninguém de corrupto. Por enquanto, não tenho o que fazer no tocante a isso aí", disse o presidente em entrevista ao programa "Os Pingos nos Is", da Jovem Pan.

Me surpreendi com a carta dele. (...) Não precisava agir daquela maneira. Acho que a Anvisa... Não faço interferência, é um órgão independente. [Mas] Acredito que o trabalho poderia ser diferente. (...) Não acusei a Anvisa de corrupção, perguntei o que está por trás dessa gana dessa sanha vacinatória [contra a covid-19]"
Jair Bolsonaro, a "Os Pingos nos Is"

Leia, na íntegra, a nota divulgada por Antonio Barra Torres:

Em relação ao recente questionamento do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, quanto à vacinação de crianças de 5 a 11 anos, no qual pergunta "Qual o interesse da Anvisa por trás disso aí?", o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, responde:

Senhor presidente, como oficial-general da Marinha do Brasil, servi ao meu país por 32 anos. Pautei minha vida pessoal em austeridade e honra. Honra à minha família que, com dificuldades de todo o tipo, permitiram que eu tivesse acesso à melhor educação possível, para o único filho de uma auxiliar de enfermagem e um ferroviário.

Como médico, senhor presidente, procurei manter a razão à frente do sentimento. Mas sofri a cada perda, lamentei cada fracasso, e fiz questão de ser eu mesmo, o portador das piores notícias, quando a morte tomou de mim um paciente.

Como cristão, senhor presidente, busquei cumprir os mandamentos, mesmo tendo eu abraçado a carreira das armas. Nunca levantei falso testemunho.

Vou morrer sem conhecer riqueza, senhor presidente. Mas vou morrer digno. Nunca me apropriei do que não fosse meu e nem pretendo fazer isso, à frente da Anvisa. Prezo muito os valores morais que meus pais praticaram e que pelo exemplo deles eu pude somar ao meu caráter.

Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, senhor presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa, aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar.

Agora, se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate.

Estamos combatendo o mesmo inimigo e ainda há muita guerra pela frente.

Rever uma fala ou um ato errado não diminuirá o senhor em nada. Muito pelo contrário.

Antonio Barra Torres
Diretor Presidente - Anvisa
Contra-Almirante RM1 Médico
Marinha do Brasil

Política