PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
4 meses

PF apura 'rachadinha' de R$ 7,4 milhões na Assembleia Legislativa do AP

Polícia Federal - Divulgação/Polícia Federal
Polícia Federal Imagem: Divulgação/Polícia Federal

Pedro Paulo Furlan

Do UOL, em São Paulo

08/04/2022 16h12

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje o processo de apuração da 'Operação Double Crack', um caso de supostas 'rachadinhas' dentro da Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP) - que pode ter atingido R$ 7,4 milhões em recursos desviados. Dentre os envolvidos, dois alvos são parlamentares, os deputados Luciana Gurgel (PL) e Charly Jhone (PL).

A prática de rachadinha acontece quando o parlamentar recebe de volta parte dos pagamentos de assessores e outros funcionários.

18 mandatos de busca e apreensão foram cumpridos, iincluindo ações dentro das casas dos políticos. Além dos parlamentares, 33 assessores e um empresário estão, possivelmente envolvidos.

A PF estima que os desvios de recursos começaram em 2019, somando valores desviados de salários dos assessores da Assembleia, a prática conhecida como 'rachadinha' e uma possível fraude de 'superfaturamento' no prédio da Escola do Legislativo, pertencendo à ALAP.

A investigação, em geral, foi iniciada após a Operação Chão de Vidro, em 2020, que pretendeu investigar supostas compras de votos na eleição de 2018. Essa informação veio da própria Polícia Federal, em nota do governo.

A reportagem tenta contato com os dois parlamentares envolvidos. Atualizaremos a matéria assim que recebermos manifestação.

Fraude no aluguel e no cofre da ALAP

O repasse de recursos era comandado, em parte, por uma investigada que tem diversos parentes envolvidos na assembleia legislativa. Supostamente, ela era responsável por aliciar pessoas de confiança e convencê-las a desviar grande parte do que recebiam da ALAP ao grupo da 'rachadinha'.

De acordo com a apuração da PF, o grupo chegou a receber mais de R$ 150 mil do cofre da ALAP mensalmente, o que era utilizado para pagar, entre outros gastos, despesas pessoais de um dos parlamentares.

Além disso, a 'superfaturação' do prédio comercial da ALAP, da Escola do Legislativo, era, alegadamente, comandada por um parlamentar, que o alugou por cerca de R$ 13 mil, e 'sublocado' para a assembleia por R$ 44 mil.

Caso os participantes nesses esquemas sejam sentenciados como culpados, podem vir a enfrentar pena de 42 anos na prisão.

Política