PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Deltan sobre Daniel Silveira: 'Supremo ultrapassou todas as barreiras'

Deltan Dallagnol durante palestra em Brasília - José Cruz/Agência Brasil
Deltan Dallagnol durante palestra em Brasília Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

30/06/2022 15h13

O ex-coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol (Podemos), disse hoje que o STF (Supremo Tribunal Federal) "já passou dos limites faz tempo". E, para explicar a afirmação, usou o caso do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), que recentemente foi condenado pela Corte.

"O Supremo Tribunal Federal já passou dos limites faz tempo. Basta olhar o inquérito das fake news, basta olhar a condenação de Daniel Silveira. Não que ele tenha feito uma coisa bonita, ele tinha que ter sido expulso na Câmara, mas o Supremo ultrapassou todas as barreiras", disse, sem explicar exatamente os erros do STF, durante entrevista ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan.

Daniel Silveira foi condenado pelo STF pelos crimes de coação no curso do processo - quando uma pessoa usa da violência ou ameaça para obter vantagem em processo judicial - e por incitar a tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes. A condenação foi por 10 votos a 1.

O deputado recebeu como pena oito anos e nove meses de prisão, em regime fechado, além da perda do mandato e a suspensão dos direitos políticos. No dia seguinte à condenação, o presidente Jair Bolsonaro (PL) concedeu o instituto da graça (uma espécie de perdão) ao deputado federal - uma prerrogativa do presidente da República para extinguir a condenação de uma pessoa.

Deltan volta a dizer que não votaria em Lula

Hoje, o pré-candidato a deputado federal voltou a afirmar que "jamais" votará no PT ou no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Deltan disse não ser "bolsonarista", mas justificou que, por ser conservador e ter "uma visão cristã", compartilha "de algumas pautas com o governo".

Na última segunda-feira (27), Deltan já havia confirmado a um seguidor nas redes sociais que, em caso de segundo turno entre o petista e Jair Bolsonaro (PL), escolherá e apoiará o atual presidente.

"Por mais que eu não goste de muitas atitudes do atual governo, simplesmente não há nada pior ou mais ameaçador para o futuro do Brasil do que o PT e o Lula voltarem para a cena do crime", afirmou na ocasião.

Política