Topo

Conteúdo publicado há
12 meses

Lei que cria homenagem a Bruno e Dom é sancionada pela Prefeitura de SP

Bruno e Dom foram mortos em junho do ano passado no Vale do Javari - Nelson Almeida/AFP
Bruno e Dom foram mortos em junho do ano passado no Vale do Javari Imagem: Nelson Almeida/AFP

Do UOL, em São Paulo

27/04/2023 13h00

A Prefeitura de São Paulo sancionou a lei que cria um dia de homenagem ao indigenista Bruno Pereira e ao jornalista britânico Dom Phillips, assassinados em junho do ano passado no Vale do Javari.

O que aconteceu?

Com a sanção, foi criado o "Dia Bruno Pereira e Dom Phillips de Defesa da Amazônia e dos Povos Indígenas". A data definida pelo texto é 5 de junho, o dia que os dois desapareceram.

Proposta foi aprovada em março deste ano pela Câmara. O texto é de autoria do vereador Toninho Vespoli (PSOL) e foi publicado hoje no Diário Oficial.

Relembre o caso

Dom Phillips era correspondente do jornal The Guardian. Britânico, ele veio para o Brasil em 2007 e viajava frequentemente para a Amazônia para relatar a crise ambiental e suas consequências para as comunidades indígenas e suas terras.

O jornalista conheceu Bruno Araújo em 2018, durante uma reportagem. A dupla fazia parte de uma expedição de 17 dias pela Terra Indígena Vale do Javari, uma das maiores concentrações de indígenas isolados do mundo. O interesse em comum aproximou a dupla.

Bruno, servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio), era conhecido como um defensor dos povos indígenas e atuante na fiscalização de invasores, como garimpeiros, pescadores e madeireiros.

Uma perícia da Polícia Federal revelou que Dom Phillips e Bruno Pereira foram mortos com tiros disparados por armas de caça. O indigenista foi atingido por três disparos, enquanto Dom foi assassinado com um tiro.

Foram denunciados pela morte dos dois os pescadores Amarildo Oliveira, o Pelado, Jefferson da Silva Lima, o Pelado da Dinha; e Oseney de Oliveira, o Dos Santos. A acusação é de duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáveres.

Rubens Villar Coelho, conhecido como Colômbia, é suspeito de ser o mandante dos homicídios. Todos eles seguem presos.