Conteúdo publicado há 9 meses

Moraes é hostilizado e tem filho agredido em aeroporto de Roma: 'Comunista'

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes foi hostilizado nesta sexta-feira, 14, por um grupo de brasileiros no aeroporto internacional de Roma, na Itália, segundo a PF.

O que aconteceu

O ministro foi hostilizado por três brasileiros por volta das 18h45 no horário local. A informação foi confirmada por interlocutores da PF e do Ministério da Justiça.

Segundo a PF (Polícia Federal), uma mulher identificada como Andréia chamou o ministro de "bandido, comunista e comprado".

Na sequência, um homem identificado pela PF como Roberto Mantovani Filho teria reforçado os xingamentos. Ele teria chegado a agredir fisicamente o filho do ministro, ainda de acordo com a PF.

Mantovani disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que viu o ministro, mas negou ter dirigido "palavra a ele". Afirmou que aguarda um comunicado oficial de acusação para dar mais detalhes de sua versão.

Mantovani é empresário e foi candidato à prefeito de Santa Bárbara D'Oeste, no interior de São Paulo, em 2004, mas perdeu a disputa.

Outro homem, identificado como Alex Zanatta, também teria proferido palavras de baixo calão. Em depoimento neste domingo à PF, ele negou que tenha ofendido o ministro.

Os brasileiros foram abordados pela Polícia Federal quando desembarcaram no Brasil.

Brasileiros que hostilizaram ministram foram abordados pela PF ao chegar ao Brasil
Brasileiros que hostilizaram ministram foram abordados pela PF ao chegar ao Brasil Imagem: Reprodução/GloboNews
Continua após a publicidade

Moraes estava acompanhado de seus familiares no aeroporto

O ministro estava na Itália para palestrar no Fórum Internacional de Direito.

Após o ocorrido, os três brasileiros se tornaram alvos de um inquérito da Polícia Federal, mas não chegaram a ser presos. Alex Bignotto prestou depoimento neste domingo e negou que tenha feito qualquer ofensa. Os os outros dois suspeitos vão prestar depoimento na terça-feira, segundo o advogado Ralph Tortima Filho.

Repercussão

O ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), ligou para Moraes e se solidarizou.

Continua após a publicidade

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, também se solidarizou com Moraes.

Toda solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes e à sua família, agredidos por antidemocratas. A defesa do Estado de Direito e a segurança de nossas instituições, incluindo de seus agentes públicos, são pilares essenciais da democracia".
Alexandre Padilha

Ministro da Secom (Secretaria de Comunicação), Paulo Pimenta disse estar indignado "contra os atos de um grupo raivoso e antidemocrático que, infelizmente, ainda existe no Brasil e fora dele. Ao ministro e família, minha solidariedade. Fascistas não passarão!".

Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, falou se tratar de um ataque "deplorável, resultado do ódio disseminado por lideranças bolsonaristas, que só sabem estimular a violência alimentada por mentiras".

*Com informações de Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário

Só para assinantes