Conteúdo publicado há 8 meses

Dino cita 'ambiente perigoso' e falta pela 3ª vez em comissão na Câmara

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, informou, hoje, que não compareceria, pela terceira vez, à Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados. A audiência estava marcada para às 9h desta terça-feira (21).

O que aconteceu

Dino já havia faltado a audiências na Comissão de Segurança Pública e combate ao Crime Organizado, marcadas para os dias 10 e 24 de outubro.

Desta vez, o ministro reforçou os argumentos já apresentados para não comparecer à audiência do dia 24 de outubro, em ofício encaminhado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). "Falta de capacidade e isenção do presidente da Comissão de Segurança Pública de conduzir os trabalhos da audiência pública, tendo em vista os ataques pessoais proferidos contra este signatário".

Em uma das falas destacadas pelo ministro, o deputado Ubiratan Sanderson (PL-RS) diz que a pasta foi "aparelhada". "Hoje, o Ministério da Justiça foi aparelhado por gente que não entende nada de segurança pública, jogando a população brasileira em apenas 8 meses numa crise sem precedentes de segurança pública".

O ministro também cita falas de outros integrantes bolsonaristas da comissão, como os deputados Gilvan da Federal (PL-ES), Sargento Fahur (PSD-PR), Evair Vieira de Melo (PP-ES) e Cabo Gilberto Silva (PL-PB).

Além das declarações já elencadas por Dino nos ofícios anteriores, o ministro da Justiça também cita falas feitas em uma sessão do dia 24 de outubro, dia da segunda ausência de Dino. "'Cagou' para a Comissão de Segurança Pública. E, com isso, ele está dizendo assim: 'Congresso Nacional, pouco me importa o que vocês estão fazendo, porque o que o que interessa é eu estar bancando, pagando de xerifão, de valentão'", disse, na ocasião, o presidente da comissão.

O ministro voltou a pedir que seja realizada uma sessão em plenário. "Para que, simultaneamente, eu possa atender a todos os pedidos de esclarecimento com a devida segurança".

Após nova ausência do ministro, o presidente da comissão, Ubiratan Sanderson (PL-RS), disse que vai denunciar Dino à PGR (Procuradoria-Geral da República). "Não houve justificativa à comissão [o ofício foi enviado à presidência da Câmara]. Essa é a terceira vez que o ministro da Justiça comete um crime de responsabilidade".

Destaca-se que as novas agressões, inclusive do Presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, mostram um ambiente ainda mais perigoso à minha integridade física e moral, confirmando a justificativa anterior Ministro Flávio Dino, ao justificar nova ausência em audiência

Continua após a publicidade

Dino como alvo

Como noticiado pelo UOL, o encontro de secretários do Ministério da Justiça e Segurança Pública com a mulher de um líder do Comando Vermelho serviu como combustível para novos ataques de bolsonaristas.

Luciane Barbosa Farias, conhecida como dama do tráfico amazonense, esteve em audiências no prédio do Ministério da Justiça, em Brasília. Ela é casada com Clemilson dos Santos Farias, conhecido como Tio Patinhas.

Dino tem sido o principal alvo da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado na Câmara dos Deputados, que tem a maioria de integrantes formada por bolsonaristas.

Deixe seu comentário

Só para assinantes