Conteúdo publicado há 1 mês
OpiniãoPolítica

Tales: Lira quer enrolar PL do aborto para não haver resistência de agora

Arthur Lira fez um recuo estratégico ao adiar para o segundo semestre a votação do projeto de lei antiaborto por entender que, no futuro, não haverá a mesma resistência enfrentada agora, afirmou o colunista Tales Faria no UOL News desta quarta (19).

Ontem, o presidente da Câmara disse que a proposta só será retomada em agosto com a formação de uma comissão representativa. A decisão vem logo após a repercussão negativa da opinião pública sobre o projeto, que equipara o aborto legal a homicídio.

Lira está dando um recuo temporário. A estratégia dele é a de reapresentar e desenterrar essas propostas que são contra a sociedade, sem dar tempo de ela reagir. Como agora, ao desenterrar a questão da anistia para quem não cumpriu as determinações da Justiça Eleitoral com relação às cotas para mulheres e negros.

Ele sempre faz isso e, nesse caso do 'PL do estupro', quer fazer a mesma coisa. Abafou a história, vai esperar esfriar e voltar lá na frente. Tales Faria, colunista do UOL

Tales chamou a atenção para a reação de Lira diante da repercussão negativa ao PL, semelhante à de quando houve forte resistência da opinião pública em outras questões. O colunista alerta para a necessidade de a sociedade se manter mobilizada e não deixar o tema cair no esquecimento.

É curiosa a desfaçatez com que Lira vem a público para dizer que nunca pensou em votar isso de maneira rápida. A grande pergunta que está no Congresso e para todos que não aprovam esse projeto é: por que colocou a votação em urgência?

Lira diz que nunca pensou nisso e [a proposta] será amplamente discutida. Ele quer enrolar no semestre que vem por um bom tempo para, quando puxá-la da gaveta, não haver resistência como houve agora.

Houve uma grande resistência popular quando apareceu aquele projeto de anistia para os partidos políticos. Ele acha que dá para botá-lo de novo sem a resistência popular. Os progressistas e a sociedade estão acordando e pode ser que ele sofra um novo revés. Tales Faria, colunista do UOL

Análise: Vamos parar com essa conversa de que aborto é questão de costumes

Continua após a publicidade

Classificar o aborto e o estupro como "pautas de costumes" compromete o futuro e a sobrevivência de meninas e mulheres no Brasil, afirmou a antropóloga Debora Diniz

O que faz o Lula? Mesmo sendo um presidente progressista insiste em ir aos jornais e qualificar a questão do aborto e do estupro de meninas como uma 'questão de costumes'. Aborto não é uma questão de costumes, mas da pobreza, da desigualdade. É sobre política econômica, manter meninas na escola e o futuro das meninas negras no país.

Então vamos parar com essa conversa de que aborto é questão de costumes. Essa é uma forma de os homens, não todos, mesmo progressistas, falarem sobre a questão das mulheres, da sobrevivência e do futuro das meninas e daquelas mais pobres. Debora Diniz, antropóloga

Soraya Thronicke: encenação de aborto no Senado foi 'tiro no pé'

A senadora Soraya Thronicke (Podemos-MS) classificou como um "tiro no pé" a encenação de um aborto por assistolia fetal realizada durante um debate no plenário do Senado na última segunda-feira (17).

Continua após a publicidade

Thronicke fez duas críticas à performance, realizada em sessão com a presença de movimentos, deputados e senadores antiaborto, na esteira da tramitação na Câmara dos Deputados do projeto de lei que equipara o aborto em gestações de até 22 semanas com o crime de homicídio simples.

A senadora já havia se manifestado sobre a performance, desafiando a mesma atriz a encenar o momento em que a filha de um parlamentar é vítima de um estupro.

De repente eu estaria fazendo [um evento] nesses mesmos moldes ou seria uma continuação dessa audiência para dar espaço para o debate. Falar a verdade, eu não vou tomar essa atitude, eu acho que só o fato de trazer à baila já colocou alguns ali para pensar, porque eu fiz questão de falar: 'Eu quero ver a encenação de uma filha sua, não a encenação de qualquer mulher. Enxergue a sua filha ali, numa provocação nesse nível.' E é chocante demais. E postergar a deliberação sobre isso não tira das costas deles. Eu acho que eles não trarão de novo, porque foi um tiro no pé.

Nós entendemos é que ali não foi uma audiência pública porque não chamaram as outras partes, na verdade, o que se sabe é que nem Nísia [ministra da Saúde] foi convidada. Então foi a utilização para uma encenação, a utilização do plenário só do interesse de uma ala então nós pedimos que não fosse feito isso nesses moldes.

O PL teve urgência aprovada na semana passada, mas ontem o presidente da Casa, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a proposta só será retomada no segundo semestre. A senadora disse que os parlamentares que defenderam o PL ficarão marcados.

Mesmo que a gente consiga o arquivamento, essas pessoas já ficaram pra história. E aí quero ser injusta, estão falando da bancada evangélica, muitos evangélicos não são favoráveis. Tanto que eles recuaram ou diminuíram o passo porque pessoas de vários espectros ideológicos se manifestaram. Foi tão feia coisa que que eles ficaram com medo.

Continua após a publicidade

Essas pessoas estão marcadas e elas precisam ser vistas com olhos de muita cautela, porque a gente não pode esquecer. Nós não vencemos uma guerra. Nós mais ou menos vencemos uma batalha, mas ali está estampado. Elas estão carimbadas porque elas podem fazer tudo. E por que não fizeram nos últimos quatro anos? Quando eles tinham com certeza, em tese, né? Da sanção. A vida não era importante nos últimos quatro anos? É estranho demais, né? Soraya Thronicke, senadora (Podemos-MS)

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Quando: De segunda a sexta, às 10h e 17h.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Deixe seu comentário

Só para assinantes