Deputada mantém mandato mesmo cassada por gasto com harmonização facial

A deputada federal Silvia Waiãpi (PL-AP) pode manter o mandato mesmo após ter sido cassada ontem pelo TRE-AP (Tribunal Regional Eleitoral do Amapá) por gastar dinheiro público com uma harmonização facial. Ela nega a acusação.

O que aconteceu

Parlamentar continua no cargo até o TSE confirmar a decisão do TRE-AP. Silvia Waiãpi teve o mandato cassado pela Corte regional por utilizar verba pública de campanha eleitoral para o procedimento estético durante as eleições de 2022.

Deputada é acusada de repassar R$ 9.000 do Fundo Eleitoral para cirurgião-dentista. Segundo a denúncia do MPE (Ministério Público Eleitoral), foram feitas duas transferências em 29 de agosto daquele ano, uma de R$ 2.000 e outra de R$ 7.000.

O caso foi levado à Justiça pela ex-coordenadora de campanha de Waiãpi. Durante a sessão de ontem no TRE-AP, os desembargadores acompanharam trecho do depoimento prestado pelo cirurgião-dentista, que confirmou ter recebido pagamento pelo procedimento. O MPE apresentou recibos da harmonização.

Em vídeo divulgado à imprensa, a deputada nega as acusações. Ela afirma que não fez nenhum procedimento com o cirurgião-dentista, que o recibo é falso e que soube da decisão do TRE-AP pelas notícias, porque não foi notificada. "Me espanta que essa cassação tenha ocorrido de maneira atropelada. Não havia como ter cassação se as minhas contas já tinham sido aprovadas", disse.

Siga UOL Notícias no

O caso de Silvia Waiãpi é semelhante ao da senadora conhecida como "Moro de saia". Selma Arruda perdeu o mandato em dezembro de 2019 em julgamento no TSE. Por 6 votos a 1, a Corte confirmou decisão do TRE-MT, que decidiu pela cassação em abril daquele ano. Até dezembro, Arruda continuou no cargo.

Deixe seu comentário

Só para assinantes