PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Estudo da UFMG diz que distanciamento vertical é ineficaz contra covid-19

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

10/04/2020 22h24

Um estudo liderado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que o isolamento vertical (só para grupos de risco), como o proposto pelo presidente Jair Bolsonaro, teria resultados muito próximos ao de uma situação sem nenhum distanciamento para conter a epidemia do novo coronavirus. Os cálculos estatísticos foram feitos com base em simulações para Belo Horizonte (MG), mas se aplicam a outras regiões do país, de acordo com os pesquisadores.

As projeções foram feitas pelo Grupo de Trabalho Covid-19, da UFMG, e fazem parte de um relatório que concluiu que o isolamento vertical não é suficiente para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. O trabalho, compilado em um relatório técnico, se chama "Isolamento Vertical é ineficaz para conter a pandemia", e é assinado por sete profissionais dos departamentos de Estatística, de Matemática e de Pediatria da UFMG, além da participação da Universidade Federal de São João del-Rei (MG) e da Diretoria de Perícias Médicas da Polícia Civil de Minas Gerais.

Dados considerados no estudo

Para comparar as formas de isolamento, foram considerados parâmetros como o tempo médio de incubação do vírus, o período em que a pessoa infectada é capaz de passar a doença para outra, quantas apresentam ou não sintomas e continuam capazes de transmitir a terceiros, além do sistema de saúde disponível e onde a população está.

As probabilidades traçadas levaram em conta a formação da população de Belo Horizonte, de quase 2,5 milhões de habitantes, sendo 11,7% de 0 a 9 anos, 21,8% entre 10 e 24 anos, 52,3% de 25 a 59 anos e 14,2% com 60 anos de idade ou mais.

A diferença entre o isolamento zero e o vertical é pequena, segundo o estudo, mas muito acentuada com relação ao isolamento horizontal (todos ficam em casa), indicado pelo Ministério da Saúde.

"A gente partiu de uma lógica de que os grupos etários têm riscos diferentes e possibilidades de contágio diferentes", diz Claudia Lindgren, do Departamento de Pediatria da UFMG.

"As crianças de até 10 anos, por exemplo, têm um risco menor de adoecer e de contágio. Os adolescentes aparecem com muitos contatos pessoais e risco baixo. A faixa produtiva, de 24 até 59 anos, é a que tem o maior número de contatos porque trabalha, estuda, se relaciona com muitas pessoas", afirma.

Números de acordo com cada situação

Sem a adoção do distanciamento, o estudo estima em 750 mil os infectados, de todas as idades e de forma simultânea, em cerca de 30 dias após o início da epidemia, em Belo Horizonte. Os idosos seriam cerca de 300 mil.

No caso do isolamento vertical, o número de doentes cairia para 600 mil, no mesmo período, também na capital mineira. Desses, 200 mil teriam 60 anos ou mais. O relatório conclui que isso faria crescer a demanda por internação hospitalar imediata, e não haveria leitos suficientes, segundo a pesquisa.

No caso de isolamento horizontal, o estudo mostra que, nos 120 primeiros dias "a epidemia não atinge dimensões significativas". Nessa hipótese, "o número de infectados passa a ser significativo após 16 meses, com um número baixo de infectados simultâneos".

Mais tempo para o sistema de saúde

Para um dos responsáveis pelas análises, isso daria ao sistema de saúde mais tempo para se preparar. "O isolamento horizontal fará com que a epidemia só se manifeste, e de maneira bastante reduzida, após 16 meses de seu início, desafogando a rede hospitalar e possibilitando a emergência, em tempo hábil, de soluções como a vacinação e novos medicamentos", explica Luiz Henrique Duczmal, do Departamento de Estatística da UFMG.

"Mostramos, através de simulações numéricas, que o chamado Isolamento Social Vertical é bastante ineficaz para conter a pandemia COVID-19", diz um trecho do estudo. "O cenário de isolamento vertical é apenas marginalmente melhor do que o cenário em que não há nenhum isolamento, e muito pior do que o cenário de isolamento horizontal, com o nível de redução de contato social equivalente."


Coronavírus