PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Estado de São Paulo tem 87 mortes por coronavírus em 24h; total chega a 695

Mister Shadow/ASI/Estadão Conteúdo
Imagem: Mister Shadow/ASI/Estadão Conteúdo

Anaís Motta e Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

14/04/2020 15h20Atualizada em 14/04/2020 16h24

O estado de São Paulo registrou 87 mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo anunciado hoje pelo infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo. A informação foi divulgada durante entrevista coletiva da secretaria estadual de Saúde.

"Claramente a pandemia se estende para o interior. Baixada Santista, Litoral Norte, Litoral Sul", explicou Uip. "É fundamental que as pessoas fiquem em casa. Nós ainda não chegamos no pico da epidemia", completou, reforçando a necessidade de respeito às políticas de isolamento social.

O infectologista ainda divulgou dados sobre o nível de ocupação dos leitos de terapia intensiva na capital paulista. Segundo Uip, os hospitais com maior número de pacientes de covid-19 em UTIs são: Sancta Maggiore (83%); Hospital das Clínicas (77%); Hospital Municipal do Tatuapé (77%); e Hospital do Mandaqui (76%).

No estado, a ocupação média dos leitos de UTI está em 50%.

Ao todo, 183 dos 645 municípios paulistas —quase três em cada dez— têm casos confirmados da doença, de acordo com o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, que também participou da coletiva. O maior risco, disse Germann, está nas áreas metropolitanas. "Aliados à aglomeração, são locais mais propensos ao crescimento da propagação da covid-19", alertou.

Isolamento mais rígido

Mais cedo, em outra coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que poderia implementar medidas mais rígidas de distanciamento social se os paulistas não colaborarem com a quarentena.

"Se não houver uma resposta correta da população, adotaremos medidas mais restritivas. Queremos proteger vidas, não temos viés político, ideológico. Nossa prioridade é proteger vidas. A proteção à economia será feita, mas na sequência", garantiu.

Coronavírus