PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Uip vê achatamento da curva e elogia tratamento: 'não é sentença de morte'

Infectologista foi um dos diagnosticados com a covid-19 e conseguiu se recuperar da doença - Divulgação/Governo de SP
Infectologista foi um dos diagnosticados com a covid-19 e conseguiu se recuperar da doença Imagem: Divulgação/Governo de SP

Do UOL, em São Paulo

14/04/2020 10h02

O infectologista David Uip afirmou hoje que já é possível ver um achatamento da curva de contaminação do coronavírus na cidade de São Paulo. O controle da epidemia é fruto das medidas de isolamento social aplicadas na capital, onde a população segue cumprindo quarentena e apenas os serviços essenciais têm autorização para funcionar.

"Parece que estamos conseguindo achatar a curva, o que vai fazer com que a gente distribua melhor (os leitos hospitares) nos próximos meses", afirmou o chefe do Centro de Contingência da Covid-19 em entrevista à Globonews. Uip ainda adiantou que uma reunião do Centro de Contingência hoje ajudará a definir a estratégia para as próximas semanas na capital.

Com a cidade já registrando quase 7 mil casos confirmados e 456 mortes pelo coronavírus, Uip preferiu manter o otimismo e a confiança no tratamento da doença pelo município. Para o infectologista, os protocolos de tratamento estão sendo aprimorados conforme a epidemia avança e as chances de recuperação são maiores.

"Quero dizer aos pacientes, até aos mais graves: o diagnóstico do coronavírus não é uma sentença de morte", afirmou Uip, citando casos de pessoas com mais de 90 anos que já se recuperaram da doença no país. "O sistema de saúde tem que suportar. Mas as pessoas podem sair vivas. Por isso o conceito de achatar a curva. O gargalo é o ambiente de UTI bem preparado, com profissionais bem treinados."

Uip é ele próprio um paciente recuperado da covid-19. O infectologista permaneceu isolado em quarentena por cerca de dez dias e admitiu que sofreu bastante para superar a doença. No entanto, ele não revelou se utilizou a cloroquina, medicamento que vem causando polêmica sobre seu uso no tratamento de pacientes afetados pelo coronavírus.

Subnotificação de profissionais da saúde

O infectologista admitiu que pode estar havendo uma subnotificação dos profissionais que estão na linha de frente do combate ao coronavírus. Segundo levantamento da Globonews, já são mais de 3 mil afastados por suspeita ou confirmação de terem manifestado a covid-19.

"Há o problema dos exames que não estão atualizados", reconheceu Uip, prometendo que os reagentes que garantem os resultados dos exames estão a caminho. "Os insumos estão chegando. A prioridade dos exames é tanto para os profissionais de saúde como para os pacientes internados", afirmou

"O protocolo é muito rigoroso. Todo profissional que apresenta síndrome respiratória viral, seja pelo coroanavírus ou não, é afastado e realizado o exame. E há uma prioridade", garantiu o infectologista.

Coronavírus