PUBLICIDADE
Topo

Mandetta é demitido do Ministério da Saúde pelo presidente Bolsonaro

Do UOL, em São Paulo

16/04/2020 16h18Atualizada em 16/04/2020 18h23

Resumo da notícia

  • A saída foi comunicada em uma breve reunião entre os dois no Palácio do Planalto na tarde de hoje
  • Seu substituto como titular da pasta será o oncologista Nelson Luiz Sperle Teich
  • A demissão de Mandetta coloca fim em uma gestão marcada pelo embate com o presidente

Luiz Henrique Mandetta anunciou hoje pelas redes sociais que foi demitido do cargo de ministro da Saúde após uma série de embates com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A saída foi comunicada em uma breve reunião entre os dois no Palácio do Planalto na tarde de hoje.

Bolsonaro anunciou em coletiva, após a demissão de Mandetta, que o substituto como titular da pasta será o oncologista Nelson Luiz Sperle Teich, que pela manhã teve uma reunião com o presidente e outros ministros do governo.

Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar
Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde

"Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país", completou o ministro.

Em pronunciamento, após anunciar a demissão no Twitter, Mandetta disse que a conversa com Bolsonaro em que foi informado seu desligamento foi "extremamente amistosa" e que entende que o presidente precisa mudar o Ministério para ter um "outro olhar".

Hoje mais cedo, Mandetta revelou em um debate online que a troca na pasta aconteceria entre "hoje e amanhã". "Eu sou a peça menor dessa engrenagem, eu escolhi muito bem a minha equipe", afirmou pela manhã ao explicar, em tom de despedida, que o trabalho de combate continuará independentemente de quem assumir o seu cargo.

Ontem, o ministro já tinha admitido em entrevista para o site da revista Veja que ia sair do ministério. Ele declarou que estava cansado de medir palavras com o presidente: "Você vai, conversa, parece que está tudo acertado e, em seguida, o camarada muda o discurso de novo. Já chega, né? Já ajudamos bastante".

O presidente encontrou-se hoje com o oncologista e empresário Nelson Teich. Em reunião pela manhã que não foi colocada na agenda oficial da Presidência, o médico foi recebido por Bolsonaro e ministros palacianos, disseram duas fontes com conhecimento do encontro para a Reuters.

Participaram da reunião com Teich os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto; da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; e da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, além do secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, que sempre foi um dos defensores do nome de Teich para o Ministério.

Choque de ideias com Bolsonaro

A demissão de Mandetta coloca fim em uma gestão marcada pelo embate com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o combate à pandemia do novo coronavírus.

A retirada de Mandetta do governo, consumada hoje, já era esperada desde o início da semana passada. O protagonismo que Mandetta ganhou por liderar a atuação contra a covid-19 foi um dos pontos que incomodou Bolsonaro. A aprovação do Ministério da Saúde sob seu comando era maior que a do presidente, segundo pesquisa Datafolha.

O apoio público do presidente para o uso da cloroquina contra o novo coronavírus, apesar de ainda não haver comprovação científica sobre a eficácia, foi outro fator de faísca.

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante evento em Brasília - ADRIANO MACHADO - ADRIANO MACHADO
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante evento em Brasília
Imagem: ADRIANO MACHADO

Mas, mais do que isso, a defesa do agora ex-ministro para que o país siga as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) para brecar a proliferação da doença no país gerou atrito com Bolsonaro.

O presidente é a favor da tese de que a economia não pode parar e que apenas uma parcela da população deveria ficar em isolamento.

Mandetta, por sua vez, segue a ideia de restrição de circulação de toda a população, o que, segundo a OMS e especialistas do mundo, ajuda a diminuir a quantidade de contaminados, dando fôlego ao sistema de saúde para tratar os doentes por coronavírus.

Diante dos embates de Bolsonaro com os estados que adotaram medidas de restrição de circulação, Mandetta chegou a recomendar que a população desse ouvidos aos governadores.

Mandetta sempre sustentou que não sairia do ministério por conta própria, mas apenas demitido. "Médico não abandona paciente", costumava a a dizer em suas entrevistas coletivas.

Respaldado pela ala militar do governo em meio às crises com Bolsonaro, Mandetta viu seu apoio cair dentro do governo depois de, no último domingo (12), dar declarações em que fez críticas ao presidente durante uma entrevista ao Fantástico, da TV Globo.

Foi a gota d'água em uma relação que levou a atenção da população para questões políticas em meio a uma pandemia que, apenas em seu início, já matou mais de 1.500 pessoas no país, com mais 25 mil casos registrados.

*Com informações da Reuters*

Coronavírus