PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Witzel estuda implantar lockdown; ex-ministro diz que é 'pra ontem'

Ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão - Divulgação / STF
Ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão Imagem: Divulgação / STF

Do UOL, em São Paulo

05/05/2020 08h38

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, discute internamente decretar lockdown no estado, como forma de manter pessoas em casa e atividades não essenciais paradas e, assim, reduzir a propagação do coronavírus. Um comitê que assessora o governo fluminense aconselha este direcionamento e um médico que o integra, o ex-ministro José Gomes Temporão, afirmou que a decisão precisa ser tomada "para ontem". As informações são do jornal O Globo.

"Da primeira semana de abril para cá é perceptível que muitas pessoas não estão cumprindo o isolamento. E há a dificuldade de se fazer fazer isolamento em comunidades muito pobres na medida que a ajuda do governo federal, já insuficiente, não chegou. A política econômica não está a serviço da política de saúde", disse Temporão, ex-ministro da Saúde do governo Lula.

Temporão criticou o presidente Jair Bolsonaro ao falar da taxa baixa de distanciamento social. "Falta um grau de consciência que é estimulado pela postura do presidente."

O estado do Rio se vê próximo a um colapso do sistema de saúde, como Witzel já admitiu. Assim, precisa diminuir os novos casos e novas mortes pela covid-19 para poder prestar assistência à população.

"O conselho fez por bem recomendar o fechamento tampão por um período. Não falamos em prazo, que vai depender muito da adesão e da capacidade real de se reduzir a circulação viral", afirmou o médico, que defende lockdown só em partes do estado em situação delicada. "Você só pode sair quando novos casos e óbitos caírem. Ainda estamos no começo da subida da curva."

Temporão ainda cobra melhoras na entrega do auxílio emergencial à população.

"Estamos ainda numa situação que, se você não fecha, o sistema de saúde pode entrar em colapso. E, se você fecha, tem que garantir que as pessoas em casa possam cumprir esse isolamento. Esse é o dilema", concluiu.

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro informou ontem que há 11.721 casos confirmados e 1.065 mortes por coronavírus no estado. O governo informou ainda que 356 óbitos em investigação e 150 foram descartados. Até o momento, entre os casos confirmados, 6.284 pacientes se recuperaram da doença.

A capital é o maior foco da doença, com 670 mortes até agora. Na sequência estão Duque de Caxias (84), Nova Iguaçu (46), Niterói (27), São Gonçalo (25), São João de Meriti (21) e Belford Roxo (16).

Coronavírus